Os não-lugares da ficção u/distópica no conto "Em terra de cego" de H. G. Wells / The Nowhere of U/Dystopic Fiction in H. G. Wells’ “The Country of the Blind”

José Carlos Felix, Juliana Cristina Salvadori

Resumo


Resumo: O presente ensaio discute a forma como os elementos do gênero utopia apresentam-se na obra do ficcionista inglês H. G. Wells. Inicialmente, discutimos a importância desse gênero para o desenvolvimento dos chamados “romances científicos”, estabelecendo uma correlação entre a releitura feita por ficcionistas do século XIX do gênero utopia à luz do contexto histórico marcado pela racionalidade científica, de modo a explicar a tendência de construção de narrativas de orientação distópica, como configurado nas obras de Wells. Por fim, apresentamos uma leitura do conto “Em terra de cego”, explicitando como este incorpora, revigora e subverte os elementos do gênero utopia.

Palavras-chave: utopia; ficção científica; tradição literária inglesa;
H. G. Wells; “Em terra de cego”.

Abstract: This essay aims at discussing the way elements of utopia as a literary genre are incorporated in the works of English fiction writer, H. G. Wells. Initially, we briefly address the relevance of the genre to the development of another genre, science fiction. Furthermore, we point out how XIX century fictionist re-read utopia genre under the light of their historical context, heavily marked by scientific rationality, tending towards the elaboration of dystopic narratives, as presented on Wells’ works. The last part focuses on the interpretation of one of Wells’ short story, “The country of the blind”, highlighting the ways this narrative embodies, renews and subverts the elements of the utopia genre.

Keywords: Utopia; Science fiction; English literary tradition; H. G. Wells; The country of the blind.


Palavras-chave


Utopia; Science fiction; English literary tradition; H. G. Wells; The country of the blind.

Texto completo:

PDF

Referências


BACON, Francis. New Atlantis. In: BRUCE, S. (Ed.). Three early modern utopias. Oxford: Oxford University Press, 1999.

BERRIEL, Carlos E. O. “O elogio dos Garamantes” de Mambrino Roseo (1543). Morus – renascimento e utopia, Campinas, n. 2, p. 106-122, 2005.

CALVINO, Italo (Org.). Introdução aos contos fantásticos do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

CAMPANELLA, Tommaso. A cidade do sol. São Paulo: Rideel, 2005.

DUBOIS, Claude-Gilbert. Problemas da utopia. Trad. Ana Cláudia Romano Ribeiro. Campinas: UNICAMP-IEL-Setor de Publicações, 2009.

FIRPO, Luigi. Para uma definição da “Utopia”. Trad. Carlos Eduardo O. Berriel. Morus – renascimento e utopia, Campinas, n. 2, p. 227-237, 2005.

HUXLEY, Aldus. L. Admirável mundo novo. São Paulo: Globo, 1995.

MORE, Thomas. Utopia. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ORWELL, George. 1984: a novel. New York: Signet, 1961.

SWIFT, Jonathan. Gulliver’s travels. London: Penguin, 1994.

WELLS, Herbert George. Em terra de cego. Trad. Renato Pompeu. In: CALVINO, Italo (Org.). Contos fantásticos do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

WELLS, Herbert George. A modern utopia. London: Penguin Classics, 2006.

WELLS, Herbert George. The country of the blind. In: DOLLEY, Christopher (Ed.). The Penguin Book of English short stories. London: Penguin, 2011, p. 93-118.

WELLS, Herbert George. The island of Dr. Moreau. London: Penguin UK, 2007.

WELLS, Herbert George The time machine and the invisible man. New York: Barnes & Nobles, 2004.

WHEEN, Francis. Introduction to A modern utopia. In: WELLS, H. G. A modern Utopia. London: Penguin Classics, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2317-2096.25.3.113-131

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 José Carlos Felix, Juliana Cristina Salvadori



Aletria: Revista de Estudos de Literatura
ISSN 1679-3749 (impressa) / ISSN 2317-2096 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.