Cadernos Benjaminianos

Cadernos Benjaminianos é um periódico semestral, com avaliação de pares, mantido pelo Núcleo Walter Benjamin sediado na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (Brasil) desde 2009. Tem como missão fomentar a produção científica a obra de Walter Benjamin, permitindo a pesquisadores do Brasil e do exterior divulgarem suas pesquisas e contribuírem para o debate e o progresso científico na área. A revista destaca-se como um dos raros periódicos brasileiros voltados estritamente para a obra de Walter Benjamin.

Cadernos Benjaminianos is a peer-reviewed biannual journal, sponsored by Center of Studies on Walter Benjamin of the School of Letters of the Federal University of Minas Gerais (Brazil) since 2009. It aims to promote scientific production about the work of Walter Benjamin, allowing researchers from Brazil and abroad to share their research and contribute to the debate and scientific progress in the area. The journal stands out as one of the rare Brazilian periodicals focused strictly on the work of Walter Benjamin.

Notícias

 

CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO - Poesia e catástrofe

 

Chamada para Publicação

Data-limite: 30/09/2019

 DOSSIÊ – POESIA E CATÁSTROFE

Editores-convidados:

Prof. Dr. Luiz Guilherme Barbosa – Colégio Pedro II

Prof. Dr. Rafael Zacca – UFRJ

 

 

 
Publicado: 2019-05-09 Mais...
 

CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO - Walter Benjamin: Barbárie e Memória Ética

 
Os Cadernos Benjaminianos recebem textos em torno do tema "Barbárie e Memória Ética", mote do evento internacional organizado, sob o mesmo nome, na PUC-RS, em setembro de 2018, sob organização geral do Prof. Dr. Ricardo Timm de Souza.  
Publicado: 2019-01-15 Mais...
 

Chamada: v. 14, n. 1 (2018) – Dossiê: Dois pensadores da vanguarda europeia: Alfred Döblin e Walter Benjamin

 

Data-limite: 30 de outubro de 2018.

Organizadores: Elcio Cornelsen (UFMG), Rosani Umbach (UFSM)

Walter Benjamin e Alfred Döblin – dois pensadores da vanguarda literária e artística europeia. Ambos conheceram as inquietações de seu tempo, assumiram posturas críticas em relação ao fascismo alemão e, especificamente, ao nazismo. Ambos tiveram de fugir da Alemanha no início de 1933, após Hitler chegar ao poder, viveram anos de exílio, com estações pela Suíça, França e Estados Unidos, no caso de Döblin, e França, no caso de Benjamin, que, tragicamente, cometera suicídio em 1940, ao tentar atravessar a fronteira espanhola em Port Bou, nos Pirineus. Döblin, um romancista por excelência, conhecido mundialmente por sua obra-prima, o romance Berlin Alexanderplatz (1929), também se destacou pelos inúmeros ensaios que escreveu sobre teoria literária, política e cultura; Walter Benjamin desfruta do reconhecimento por inúmeros ensaios que se tornaram clássicos para se pensar conceitos como o de “história”, “alegoria”, “origem” etc., ou mesmo para se refletir sobre a “crise do romance” e da arte de narrar, fruto da pobreza de experiência transmissível. Este dossiê possibilitará um debate sobre a produção ensaística de Döblin e de Benjamin, principalmente sobre “narrativa”, “romance”, “obra épica”, “reprodutibilidade técnica”, “história”, entre outros aspectos.

 
Publicado: 1969-12-31
 
Outras notícias...