Automatismo e indiferença em A Máquina de Joseph Walser, de Gonçalo M. Tavares

Rodrigo Medeiros Campos

Resumo


O objetivo deste artigo é provocar uma reflexão a respeito do automatismo e da indiferença presentes na sociedade atual a partir da leitura e da análise crítica da obra “A Máquina de Joseph Walser”, de Gonçalo M. Tavares.


Palavras-chave


automatismo; indiferença; maquinismo; alienação.

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. Algumas questões de filosofia moral. In: ______.Responsabilidade e Juízo. Lisboa: Publicações Don Quixote: 1965.

BARRENTO, João. Dor é um fantasma do fim do século. Revista Românica, Lisboa, n. 8, p. 21-28, 1999.

BATAILLE, Georges. A Literatura e o Mal. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

MUSIL, Robert. O homem sem qualidades. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

PESSOA, Fernando. Ode Triunfal e outros poemas. São Paulo: Global, 2009.

TAVARES, Gonçalo M. A Máquina de Joseph Walser. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2359-0076.36.55.97-104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Centro de Estudos Portugueses
ISSN 1676-515X (impressa) / ISSN 2359-0076 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

.