O Mar na Poesia de Manuel da Fonseca: exercício de análise

Antony Cardoso Bezerra

Resumo


Estreando-se na Literatura como poeta, Manuel da Fonseca construiu uma obra lírica breve, mas significativa. Por meio de uma problematização sobre o estatuto do projeto literário neorrealista — em que o autor se pode incluir — e dos papéis por que se configura a  noção de poesia moderna, analisa-se, num corpus de 11 textos de Fonseca, a presença do mar como “figura poética”, conforme Maria Alzira Seixo a conceituou. Nota-se que o mar tanto se apresenta como espaço privilegiado de liberdade, bem como representação da vida; seja num alcance historicamente ancorado, seja numa dimensão mais ampla, em clave de abstração.


Palavras-chave


Manuel da Fonseca; Neorrealismo; poesia; figura; mar; vida.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Palestra sobre lírica e sociedade. In: ______. Notas de Literatura I. São Paulo: Duas Cidades; 34, 2003. p. 65-89.

BELCHIOR, M. de L. Da poesia de Manuel da Fonseca ou a demanda do paraíso. In: BELCHIOR, M. de L.; ROCHETA, M. I.; SEIXO, M. A. Três ensaios sobre a obra de Manuel da Fonseca. Lisboa: Seara Nova; Comunicação, 1980. p. 9-49.

BERARDINELLI, A. As muitas vozes da poesia moderna. In: ______. Da poesia à prosa. São Paulo: Cosac Naify, 2007. p. 17-41.

DIÁLOGO com Manuel da Fonseca. Gazeta musical e de todas as artes, Lisboa, s. 2, n. 109-110, p. 54-58, abr.-maio 1960.

DIONÍSIO, M. Prefácio. In: FONSECA, M. da. Obra poética. 7. ed. Lisboa: Caminho, 1984. p. 17-39.

DIONÍSIO, M. Antiprefácio. In: ______. Poesia incompleta. 2. ed. Mem Martins: Europa-América, [19__]. p. 13-26.

ELIOT, T. S. O uso da poesia e o uso da crítica: estudos sobre a relação da crítica com a poesia na Inglaterra. São Paulo: É Realizações, 2015.

ELIOT, T. S. The three voices of poetry. In: ______. On poetry and poets. New York: Noonday, 1969. p. 96-112.

FERREIRA, S. Manuel da Fonseca: memória e verdade da sua poesia e ficção. Colóquio/Letras, Lisboa, n. 94, p. 85-89, nov. 1986.

FILIPE, M. Algumas notas para uma nova poética. In: REIS, Carlos (Sel.). Textos teóricos do Neorrealismo português. Lisboa: Seara Nova; Comunicação, 1981. p. 221-222.

FONSECA, M. da. Obra poética. 7. ed. Lisboa: Caminho, 1984.

FONSECA, M. da. Poemas completos. 3. ed. Lisboa: Portugália, 1969.

FRYE, N. O caminho crítico. São Paulo: Perspectiva, 1973.

GEDEÃO, A. Poesias completas: 1956-1967. 10. ed. Lisboa: Sá da Costa, 1987.

GUIMARÃES, F. Leituras do Neorrealismo: Planície e Aldeia Nova. Nova síntese, Vila Franca de Xira, n. 6, p. 67-71, 2011.

GUSMÃO, M. A poesia de Manuel da Fonseca e o Alentejo. Nova síntese, Vila Franca de Xira, n. 6, p. 55-66, 2011.

HAMBURGER, M. A verdade da poesia. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

LOURENÇO, E. Sentido e forma da poesia neorrealista. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1983.

MELO, F. M. de. O poeta melodino. Porto: Companhia Portuguesa, 1921.

PESSOA, F. Antologia poética: seguida do “Livro do desassossego”. 2. ed. Lisboa: Ulisséia, 1995.

RÉGIO, J. Cântico negro. In: MOISÉS, M. A Literatura Portuguesa através dos textos. 23. ed. São Paulo: Cultrix, 1994. p. 430-432.

REIS, C. O conhecimento da Literatura: introdução aos estudos literários. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2001.

REIS, C. O discurso ideológico do Neorrealismo português. Coimbra: Almedina, 1983.

SEIXO, M. A. Manuel da Fonseca, o olhar do poeta. In: SANTOS; D.; SANTOS, L. D. (Org.). Manuel da Fonseca: por todas as estradas do mundo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2011. p. 55-77.

SIMÕES, J. G. Itinerário histórico da poesia portuguesa: de 1189 a 1964. Lisboa: Arcádia, 1964.

SOUSA, E. de. História e mito. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1981.

VERDE, C. O sentimento dum ocidental. In: ______. O livro de Cesário Verde. Lisboa: Ática, 1992. p. 101-111.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2359-0076.37.57.115-130

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista do Centro de Estudos Portugueses
ISSN 1676-515X (impressa) / ISSN 2359-0076 (eletrônica)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

.