Imoralidade, instabilidade, capitalismo e judeus em "Angústia", de Graciliano Ramos

Márcio Henrique Muraca

Resumo


Por meio do protagonista Luís da Silva, do romance Angústia (1936), de Graciliano Ramos, é possível ver a relação pecado-culpa-castigo, em função de sua percepção do sistema capitalista como imoral. Moisés, um dos amigos de Luís, é personagem que aparece articulado a essa tensão no pensamento crispado do narrador: há conceitos antijudaicos nele, como a ligação “judeus-comunismo”, “judeus-capitalismo” e “judeus-ateísmo”. O ressentimento é consequência da opressão que Luís da Silva percebe em sua vida, na qual se vê impossibilitado de realizar um projeto de estabilidade/constância – em sentidos diversos.


Palavras-chave


Capitalismo. Judeus. Graciliano Ramos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17851/1982-3053.9.17.259-278

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




© Copyright 2007 Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG - ISSN: 1982-3053.

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.