O modelo Funcionalista de Christiane Nord aliado ao dispositivo de Sequências Didáticas: norteamentos para o Ensino de Tradução

Valdecy Oliveira Pontes, Livya Lea Oliveira Pereira

Abstract


Resumo: Abordagens mais recentes nos Estudos da Tradução partem do princípio de que não se traduz uma língua/cultura, mas textos. Na perspectiva da Tradução Funcionalista, esses não podem ser compreendidos à parte de seu contexto comunicativo, fato que justifica a proximidade do Ensino de Tradução com o conhecimento sobre gêneros textuais, destacada, inclusive, por Nord (2012). Assim, a partir da perspectiva teórica funcionalista de Christiane Nord (1991, 1994, 1996, 2012) para o ensino de tradução e da contribuição da Linguística de Texto acerca do funcionamento e domínio dos gêneros textuais, este trabalho discorre sobre a aplicação de Sequências Didáticas (SD) na formação de tradutores. Para tanto, percorre o seguinte percurso teórico-metodológico: 1. pontuar direcionamentos teóricos a respeito do Ensino de Tradução Funcionalista com base em Nord (1991, 1994, 1996, 2012); 2. discorrer sobre a elaboração e aplicação dos dispositivos de SD, baseando-se nas contribuições de Dolz e Schneuwly (1998), Cristóvão (2009, 2010), etc.; 3. ilustrar um projeto inicial de SD, com o gênero textual peça de teatro, para futuros tradutores, no par linguístico espanhol-português, incluindo a modelização do gênero, por meio da análise de dez peças hispânicas e brasileiras. Por meio deste percurso, o trabalho pretende mostrar que a proposta de SD, contemplando os direcionamentos do ensino da tradução funcionalista, poderá proporcionar ao futuro tradutor conhecimento sobre os diferentes gêneros textuais e seu funcionamento nas distintas culturas envolvidas na tradução, além de possibilitar: (i) o desenvolvimento de capacidades de linguagem na língua-base e na língua-meta; (ii) a compreensão da tradução como um processo circular.

Palavras-chave: tradução; modelo funcionalista; sequências didáticas.

Abstract: Recent approaches in Translation Studies assume that languages/ cultures are not translated, texts are. In the perspective of Functionalist Translation, texts are not understood isolated from their communication context, which justifies the proximity of Translation Teaching with the knowledge of genres suggested by Nord (2012). Considering Nord’s functionalist theoretical perspective for translation teaching and Text Linguistic contribution on the operation and control of genres, this paper discusses the application of Didactic sequences (SD) in translators’ training. In order to do that, the following theoretical and methodological guidelines are used: 1. pinpoint theoretical directions for the Functionalist Translation Teaching based on Nord (1991, 1994, 1996, 2012); 2. discuss the development and implementation of SD devices, based on the contributions of Dolz and Schneuwly (1996), Cristóvão (2009, 2010) among others; 3. exemplify an initial didactic sequence project about the theater genre for future translators in the Spanish-Portuguese linguistic pair, including modeling of the genre, through the analysis of 10 Hispanic and Brazilian pieces. It is expected that the SD proposed, contemplating the directions of Functionalist Translation Teaching, can provide the translator with knowledge on different genres and on its functioning in different cultures involved in the translation process, in addition to the development of language skills in both the source and the target languages and the understanding of translation as a circular process.

Keywords: Translation; Functionalist model; Didactic sequences.


Keywords


Translation; Functionalist model; Didactic sequences.

References


BARROS, E. M. D. Gestos de ensinar e de aprender gêneros textuais: a sequência didática como instrumento de mediação. 2012. 368 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.

BARROS, E. M. D. O gênero textual como articulador entre o ensino da língua e a cultura midiática. In: NASCIMENTO, E. L. Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 137-168.

BEAUGRANDE, R. A. de; DRESSLER, W. U. Introducción a la Lingüística del Texto. Barcelona: Ariel, 1981.

CASSANY, D. Describir el escribir. Cómo se aprende a escribir. 17. ed. Barcelona: Paidós, 2010.

COSTA-HÜRBES, T.C.; SIMIONI, C.A. Sequência didática: uma proposta metodológica curricular de trabalho com os gêneros discursivos/textuais. In: BARROS, E. M. D.; RIOS-REGISTRO, E. S. (Org.). Experiências com sequências didáticas de gêneros textuais. Campinas: Pontes Editores, 2014.

CRISTOVÃO, V. L. L. Sequências didáticas para o ensino de línguas. In: DIAS, R; CRISTOVÃO, V. L. L. (Org.). O livro didático de língua estrangeira. Múltiplas perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 2009. p. 305-344.

CRISTOVÃO, V. L. L. O gênero quarta capa no ensino de inglês. In: DIONISIO, A. et al. (Org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 105-116.

DEMÉTRIO, A. P. C. A tradução como retextualização: uma proposta para o desenvolvimento da produção textual e para a ressignificação da tradução dentro do ensino de LE. 2014. 198f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Genres et progression en expression orale et écrite: éléments de réflexions à propos d’une experience romande. Enjeux, 37/38, 1996, p.49-75.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. Pour um enseignement de l’oral: imitation aux genres formels à l’école. Paris: ESF, 1998.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M; SCHENEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: ROJO, R.; CORDEIRO, G. S. (Org.). Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras, 2004. p. 95-128.

GONÇALVES, A. V.; FERRAZ, M. R. R. Ferramentas didáticas e ensino: da teoria à prática de sala de aula. In: NASCIMENTO, E. L. Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 209-229.

LAIÑO, M. J. A tradução pedagógica como estratégia à produção escrita em LE a partir do gênero publicidade. 2014. 234f. Tese (Doutorado em Estudos da Tradução) – Centro de Comunicação e Expressão. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2014.

MARCUSCHI, L. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. et al. (Org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 19-38.

MOSQUERA ROA, S; SANCHEZ ABCHI, V. Las secuencias didácticas de género textual en ELE. Perspectivas para una formación docente. In: GARCÍA-AZKOAGA, I. M.; IDIAZABAL, I. (Ed.). Para una ingeniería didáctica de la educación plurilingüe. Bilbao: Universidad del País Vasco, Servicio Editorial, D.L, 2015.

NORD, C. Text Analysis in Translation: theory, methodology and didactic application of a model of translation-oriented text analysis. Tradução de Christiane Nord e Penelope Sparrow. Amsterdam; Atlanta: Rodopi, 1991.

NORD, C. El error en la traducción: categorías y evaluación. In: HURTADO ALBIR, A. Estudios sobre la traducción. Castelló: Universitat Jaume I, 1996. p. 91-107. Disponível em: http://goo.gl/SdW35b. Acesso em: 20 fev. 2015.

NORD, C. Traduciendo funciones. In: HURTADO ALBIR, A. (Ed.). Estudios sobre la traducción. Castelló: Publicacions de la Universitat Jaume I, 1994. p. 97-112.

NORD, C. El funcionalismo en la enseñanza de traducción. Mutatis Mutandis, v. 2, n. 2, p. 209-243, 2009. Disponível em: http://goo.gl/7kdLWX. Acesso em: 3 mar. 2015.

NORD, C. Texto base-texto meta. Un modelo funcional de análisis pretraslativo. Tradução e adaptação de Cristiane Nord. Castelló de la Plana, Espanha: Publicacions de la Universitat Jaume I, 2012.

PIETRO, J. F.; SCHENEUWLY, B. O modelo didático do gênero: um conceito da Engenharia Didática. In: NASCIMENTO, E. L. Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 51-81.

PINTO, A. P. Gêneros discursivos e ensino de língua inglesa. In: DIONISIO, A. et al. (Org.). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola, 2010. p. 51-62.

REISS, K.; VERMEER, H. J. Fundamentos para una teoría funcional de la traducción. Tradução de Sandra García Reina e Celia Martín de León. Madrid: Ediciones Akal, 1996. 206p.

ROMÃO, T. L. C. Definições de Tradução e Evolução dos Estudos Tradutórios. In: MATTES, M; THEOBALD, P. Ensino e Cultura Contemporânea. Fortaleza: Edições UFC, 2010a. p. 31-46.

ROMÃO, T. L. C. Ilusão teatral versus Realidade Tradutória: os extremos da tradução teatral. In: LÚCIO, A. C. M.; SCHNEIDER, L. (Org.). Cultura e Tradução: interfaces entre teoria e prática. João Pessoa: Ideia, 2010b. p. 51-70.

RYNGAERT, J. P. Introdução à análise do teatro. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 1995. 192 p.

STUTZ, L; CRISTÓVÃO, V. L. L. A construção de uma sequência didática na formação docente inicial de língua inglesa. Revista Signum: Estud. Ling., Londrina, v. 14, n. 1, p. 569-589, 2011.

TRAVAGLIA, N. G. Tradução como retextualização: a tradução numa perspectiva textual. 2. ed. Uberlândia: EDUFU, 2013. 308 p.

UBERSFELD, A. Para ler o teatro. Tradução e coordenação de José Simões. São Paulo: Perspectiva, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.4.2127-2158

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)