Relações de herança das construções de posse: extensões de sentido entre construções com verbos plenos e construções de sentimento com verbos leves

Gabriele Cristine Carvalho

Abstract


O objetivo deste trabalho é apresentar as relações de herança das construções de posse ou de objeto possuído, como as classifica Perini (2008), as quais exibem os papéis temáticos de possuído e possuidor em sua rede temática e podem ser ilustradas por sentenças como José tem um carro. Carvalho (2015), analisando textos dos séculos XIV ao XVI, observou que os verbos filhar, haver, ter e tomar, que integram essas construções de posse, também constituem sentenças que evocam o frame dos verbos psicológicos, como em José tem medo. A autora verificou também uma identidade sintática entre esses dois tipos de estruturas, embora as de posse sejam construções com verbos plenos (CVPs) e as que denotam eventos psicológicos sejam construções de sentimento com verbos leves (CSVLs). Partindo da Gramática de Construções de Goldberg (1995), segundo a qual as construções são as unidades básicas da língua e estão relacionadas umas às outras por links de herança, e das teorias que propõem uma estreita relação entre os verbos plenos e suas contrapartes leves (BRUGMAN, 2001; BUTT, 2003; BUTT; LAHIRI, 2013; MACHADO VIEIRA, 2003; SCHER, 2003), foram analisadas as relações de herança entre as construções de posse material e as de posse abstrata (CSVLs). Para verificar as extensões de sentido entre ambas foram consideradas as relações sintático-semânticas, a frequência e a história dos verbos e/ou da construção. A análise dos 442 dados encontrados nos corpora permitiu concluir que as CSVLs foram motivadas pelas CVPs.  


Keywords


relações de herança; construções; verbos psicológicos; verbos leves; verbos plenos

References


ABREU, G. de V.; VIANA, A. R. G. Lenda de Barlaão e Josafá (História e Memória da Academia Real de Ciências, Tomo VII, Parte II, Memória I). In: FERREIRA, M. E. T. (Colab.). Poesia e prosa medievais. 2. ed. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, [19-]. 228p.

BRUGMAN, C. Light verbs and polysemy. Language Sciences, Elsevier, v. 23, n. 4-5, p. 551-578, jul. -set. 2001. https://doi.org/10.1016/S0388- 0001(00)00036-X

BUTT, M. The light verb jungle. In: AYGEN, G.; BOWERN, C.; QUINN, C. (Org.). Harvard Working Papers in Linguistics. Papers from the GSAS/ Dudley House Workshop on Light Verbs. Cambridge: Harvard University, 2003. v. 9, p. 1-28.

BUTT, M.; LAHIRI, A. Diachronic pertinacity of light verbs. Língua, Elsevier, v.135, p. 7-29, out. 2013. https://doi.org/10.1016/j.lingua.2012.11.006

BYBEE, Joan. The phonology of the lexicon: evidence from lexical diffusion. In: BARLOW, Michael; KEMMER, Suzanne (Ed.). Usagebased models of language. Stanford, CA: CSLI Publications, 2000. p. 65-85.

CARVALHO, Gabriele Cristine. Um estudo descritivo dos predicadores experienciais psicológicos, físicos, epistêmicos e de per cepção do português: análise das correlações sintático-semânticas orientada pela freqüência dos tipos de construções morfológicas. 2008. 167 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, 2008.

CARVALHO, Gabriele Cristine. O “frame” dos verbos psicológicos: relações de herança entre as construções com verbos plenos e verbos leves. 2015. 350 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, 2015.

COHEN, M. A. et alli. BTLH- Projeto Banco de textos para pesquisa em linguística histórica. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, UFMG, 1999.

CORTESÃO, J. A carta de Pero Vaz de Caminha. Rio de Janeiro: Livros de Portugal, 1943.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico da língua portuguesa. 4ª edição revista e atualizada de acordo com a nova ortografia. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

CUNHA, C. D. O comportamento dos verbos experienciais e beneficiários perante a alternância causativo-ergativa: a frequência de uso do clítico se, as realizações morfológicas e os itens lexicais. 2010. 133f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.

DUARTE; BARBOSA, J. M. Leal conselheiro. [Lisboa]: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1982. 450p.

ENTWISTLE, W. (Ed.) Crônica d’el Rei Dom Joham (de Fernão Lopes). [s.l.]: [s.n.], 1945. (p.1-23). In: COHEN, M. A. et alli. BTLH- projeto banco de textos para pesquisa em linguística histórica. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, UFMG, 1999.

FIDELHOLTZ, J. Word Frequency and vowel reduction in English. Chicago Linguistic Society, Chicago, n. 11, p. 200-213, 1975.

FILLMORE, C. The case for case. In: BACH, E.; HARMS, R. (Ed.). Universals in linguistics theory. New York: Holt, Rinnehart and Winston, 1968. p. 1-88.

FILLMORE, C. Some problems for case grammar. In: RICHARD J.; O’BRIEN, S. J. (Org.). Report of the Twenty-second Annual Round Table Meeting on Linguistics and Language Studies. Washington/DC: Georgetown University Press, 1971. p. 35-56.

GAFFIOT, F. Dictionnaire illustré latin-français. Paris: Hachette, 1934.

GOLDBERG, A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

GRUBER, J. S. Studies in lexical relations. 1965. Tese (Doutorado) – MIT ; reeditado como parte de Lexical structures in syntax and semantics. Amsterdam: North Holland, 1976 apud JACKENDOFF, Ray,. Semantic interpretation in generative grammar. Cambridge: MIT, 1972.

IZUMI, T. et al. Paraphrasing Japanese light verb constructions: towards the normalization of complex predicates. International Journal of Computer Processing of Languages, World Scientific, v. 23, n. 2, p. 174- 167, 2011. https://doi.org/10.1142/s1793840611002267

JACKENDOFF, R. The status of thematic relations in linguistic theory. Linguistic Inquiry, Massachussetts Institute of Techonology, v. 18, n. 3. p. 369-411, Summer 1987.

JACKENDOFF, R. Semantic interpretation in generative grammar. Cambridge: MIT, 1972.

JESPERSEN, O. A modern English gramar on historical principles, Part IV, morphology. London: George Allen and Unwin, 1965.

LAKOFF, G. Women, fire, and dangerous things: what categories reveal about the mind. Chicago: University of Chicago Press, 1987. https://doi. org/10.7208/chicago/9780226471013.001.0001

LESLAU, W. Frequency as determinant of linguistic change in the Ethiopian languages. Word, Routledge, n. 25, p.180-189, 1969.

MACHADO VIEIRA, M. S. A polifuncionalidade do verbo fazer. In: ENCONTRO DO CÍRCULO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS DO SUL, 5, 2002, Curitiba, PR. Anais... Curitiba-PR: Mídia Curitibana, 2003. p. 895-904.

MADUREIRA, E. D. Difusão lexical e mudanças sintáticas: os verbos psicológicos. 2000. 380f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000.

MADUREIRA, E. D. Variação nas construções pronominais dos verbos psicológicos: uma decorrência de diferentes percursos históricos. In: COHEN, Maria Antonieta A. M.; RAMOS, J. M. (Org.). Dialeto mineiro e o outras falas: estudos de variação e mudança lingüística. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2002. p. 109-130.

MATTOS E SILVA, R. V. Caminhos de mudanças sintático-semânticas no português arcaico. Revista de Estudo da Linguagem, Belo Horizonte, ano1, v.1, p. 85-99, jul./dez. 1992.

MATTOS E SILVA, R. V. O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 2006.

MATTOSO, J. (Ed.). Portugaliae Monumenta Histórica; a saeculo octavo post quintumdecimun iussu academiae scientiarum olisiponensis edita. Livro de linhagens do conde D. Pedro. Lisboa: Academia das Ciências, 1980. v II/I. p. 204-222, 295-299, 393-396. In: COHEN, M. A. et alli. BTLH- Projeto Banco de Textos para Pesquisa em Linguística Histórica. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, UFMG, 1999.

NUNES, J. J. Vida de Santa Pelágia [ Revista Lusitana, v. X, 1907]. In: FERREIRA, M. E. T. (Colab.). Poesia e prosa medievais. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, [19-]. 228p.

PEREIRA, E. (Ed.). Vida de Santo Aleixo [Revista Lusitana, v. I, 1887]. In: FERREIRA, M. E. T. (Colab.). Poesia e prosa medievais. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de Autores Portugueses, [19-]. 228p.

PERINI, M. A. Estudos de gramática descritiva: as valências verbais. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PERINI, M. A. O papel temático: relação cognitiva e instrumento de descrição. (ms.)

PHILLIPS, B. S. Word frequency and the actuation of sound change. Language, The Linguistic Society of America, v. 60, n. 2, p. 320-342, 1984. https://doi.org/10.2307/413643

PHILLIPS, B. S. Lexical diffusion frequency, and lexical analysis. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. (Ed.). Frequency effects and the emergence of lexical structure. Amsterdam: John Benjamin, John Benjamin, 2001. https://doi.org/10.1075/tsl.45.07phi

SCHER, A. P. Quais são as propriedades lexicais de uma construção com verbo leve? In: MÜLLER, A. L.; NEGRÃO, E. V.; FOLTRAN, M. J. (Org.). Semântica formal. São Paulo: Contexto, 2003. p. 205-219.

TALMY, L. Force dynamics in language and thought. In: REGIONAL MEETING OF THE CHICAGO LINGUISTIC SOCIETY, Twenty- Fourth, 1985, Chicago. Proceedings… Chicago: Chicago Linguistic Society, 1985. p. 293-997.

TALMY, L. Force dynamics in language and cognition. Cognitive Science, Wiley Online Library, v. 12, p. 49-100, 1988.

YUE-HASHIMOTO, M. The lexicon in syntactic change: lexical diffusion in Chinese syntax. Journal of Chinese Linguistics, Chinese University Press, v. 21, n.2, p.213-248, 1993.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.4.1905-1933

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)