Os padrões de transitividade de cláusulas materiais e a construção de sentidos

Gesieny Laurett Neves Damasceno, Violeta Virginia Rodrigues

Abstract


Na perspectiva sistêmico-funcional, os papéis principais do sistema de transitividade fornecem o quadro de referência para que a experiência da realidade seja interpretada. Pautado nessa concepção, o presente trabalho objetiva identificar o modo como os componentes do sistema de transitividade são articulados em textos pertencentes ao gênero notícia jornalística e a relação que as codificações encontradas estabelecem com os propósitos sociocomunicativos desse gênero discursivo. Como aporte descritivo-metodológico, elegeram-se oito parâmetros, que visaram a abarcar tanto as propriedades léxico-gramaticais da transitividade como as propriedades pragmáticas e discursivas que atuam nas escolhas efetuadas. São exemplos desses parâmetros: caracterização dos fazeres transitivos e intransitivos, número de participantes na oração, formas de expressão do significado, objetivos pragmático-discursivos das configurações oracionais e expansão dos processos materiais. O corpus deste estudo compõe-se de 31 notícias jornalísticas, e o recorte de análise compreende 131 orações construídas em torno de processos do tipo material. Para o reconhecimento dos padrões de transitividade presentes nas notícias jornalísticas, utilizamos como ferramenta os Mapas Auto-Organizáveis (do inglês, self-organizing maps – SOM), que se constituem em um tipo de Rede Neural não supervisionada. Tendo em vista a relação de similaridade entre os sinais de entrada, a análise pôde identificar quinze importantes padrões linguísticos, que sintetizam, com bastante eficácia, as escolhas efetuadas no âmbito do sistema de transitividade, bem como os significados construídos nas notícias jornalísticas a partir desses arranjos estabelecidos.


Keywords


Linguística Sistêmico-Funcional (LSF); padrões de transitividade; Mapas Auto-Organizáveis

References


BROCK, G. et al. clValid: an R package for cluster validation. Journal of Statistical Software, Innsbruck, Austria, v. 25, n. 4, p. 1-22, 2008.

CHAFE, W. Significado e estrutura linguística. Trad. Maria Helena de Moura Neves et al. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979.

DAMASCENO, G. L. N. A transitividade de processos materiais em notícias jornalísticas. 2016. 248 f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

DAMASCENO, G. L. N. et al. A metáfora da transitividade no gênero notícia jornalística: uma abordagem sistêmico-funcional. Signótica, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 495-517, 2014. https://doi.org/10.5216/sig.v26i2.29444

FILLMORE, C. J. The case for case. In: BACH, E.; HARMS, R. (Org.). Universals in linguistic theory. New York: Holt; Rinnehart and Winston, 1968. p. 1-88.

HALLIDAY, M. A. K. An introduction to functional grammar. 2. ed. London: Edward Arnold, 1994.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. An introduction to functional grammar. 3. ed. London: Arnold, 2004.

HAYKIN, S. Redes neurais: princípios e prática. 2. ed. Bookman Companhia, 2001.

HOPPER, P.; THOMPSON, S. Transitivity in grammar and discourse. Language, Washington, v. 56, n. 2, p. 251-299, 1980. https://doi.org/10.1353/lan.1980.0017

KOHONEN, T. Self-organized formation of topologically correct feature maps. Biological Cybernetics, Springer International Publishing, n. 43, p. 59-69, 1982.

KOHONEN, T. The self-organizing map. Proceedings of the IEEE, IEEE Xplore® Digital Library, v. 78, n. 9, p. 1464-1480, 1990. https://doi.org/10.1109/5.58325

KOHONEN, T. Self-organizing maps. 3. ed. Berlin-Heidelberg, Germany: Springer, 2001. https://doi.org/10.1007/978-3-642-56927-2

KOHONEN, T. Essentials of the self-organizing map. Neural Networks, n. 37, p. 52-65, 2013. https://doi.org/10.1016/j.neunet.2012.09.018

LAGE, N. Estrutura da notícia. 5. ed. São Paulo: Ática, 2003.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas de la vida cotidiana. Trad. Carmen González Marín. 7. ed. Madri: Catedra, 2007.

MÜLLER, A. L. A expressão da genericidade nas línguas naturais. In: MÜLLER, A. L.; NEGRÃO, E. V.; FOLTRAN, M. J. (Org.). Semântica formal. São Paulo: Contexto, 2003. p. 153-172.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria, 2011. Disponível em: . Acesso em: nov. 2015.

WEHRENS, R.; BUYDENS, L. M. C. Self- and Super-organizing Maps in R: The Kohonen Package. Journal of Statistical Software, Innsbruck, Austria, v. 21, n. 5, p. 1-19, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.4.1989-2025

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)