Mulheres na liderança: discurso, ideologia e poder

Vicentina Ramires, Dina Ferreira

Abstract


Resumo: Dominação, força e autoridade são conceitos ainda circunscritos ao universo masculino, e isso pode ser constatado principalmente nas relações de trabalho, mesmo naquelas em que as mulheres exerçam funções de liderança. Esse quadro também se materializa na academia, onde os sujeitos estão, hipoteticamente, mais atentos às diferentes posições ideológicas e às formas como se manifestam, e, por conseguinte, mais ou menos a elas refratários. O objetivo geral deste estudo é demonstrar como hierarquias de poder no mundo do trabalho baseadas em diferenças de sexo são ideologicamente construídas, de maneira a reforçarem as formas dicotômicas de relações de gêneros e como as próprias mulheres, atuando em culturas androcêntricas, podem contribuir para perpetuar atitudes sexistas. Com base nos Estudos Críticos de Discursos, procuramos: a) identificar os discursos que corroboram para construir ou desconstruir modelos de dominação nas relações de gênero; b) observar em que formações discursivas esses modelos se impõem e c) identificar em que medida procedimentos de discriminação são veiculados nos discursos proferidos pelas mulheres. Este estudo foi desenvolvido em duas instituições de ensino superior, analisando entrevistas e respostas aos questionários dirigidos a mulheres que ocupam posições de liderança. Observamos que, ao mesmo tempo que muitas mulheres reforçam a assimetria de gêneros existente entre posições de poder na sociedade, ao repetirem/confirmarem discursos, outras vão tomando consciência de seu espaço na sociedade e agem criticamente em defesa de direitos iguais entre homens e mulheres.

Palavras-chave: gênero; discurso; ideologia; poder.

Abstract: Domination, power and authority are still confined to male universe, and this can be found mainly in work relationships, even those in which women occupy leadership roles. This framework is materialized in academic communities, where subjects are hypothetically more attentive to the different ideological positions and how they are presented, and thus, more or less refractory to them. The aim of this study is to demonstrate that power hierarchies in the labor world based on sex differences are ideologically constructed in order to strengthen the dichotomous forms of gender relations. We also intend to analyze how women themselves, working in male-centered cultures, contribute to perpetuate sexist attitudes against themselves. Based on Critical Discourse Studies we seek to a) identify discourses that support to build or deconstruct models of dominance in gender relations; b) observe in which discursive formations such models are imposed and c) identify to what extent discrimination procedures are found in discourses made by women. This study was conducted in two universities, by analyzing interviews and responses to questionnaires sent to women in leadership positions. We note that, while many women reinforce the asymmetry of genres between positions of power in society, repeating/confirming discourses, others are aware of their place in society and act critically in defense of equal rights for men and women.

Keywords: gender; discourse; ideology; power.


Keywords


gender; discourse; ideology; power

References


BOYER, Bénédicte. Les femmes et la haute fonction publique. Paris: Lextenso Éditions, 2013.

BOYER, Bénédicte. (Entrevista). Disponível em: http://www.fonction-publique.gouv.fr/fonction-publique-1135. Acesso em: fev. 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. 10. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CHOULIARAKI, Lilie; FAIRCLOUGH, Norman. Discourse in Late Modernity: rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

COSTA, A. A. Gênero, poder e empoderamento das Mulheres. Salvador: Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher – NEIM/UFBA, 2000.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Estudos Feministas, UFSC, v 10, n. 1, , p. 171-188, 2002. Doi: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Tradução, revisão técnica e prefácio de Izabel Magalhaes. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Organização e tradução de Robert Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GRAMSCI, Antonio. Obras Escolhidas. São Paulo: Martins Fontes, 1978.

GRAMSCI, Antonio. Concepção dialética da história. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

HAIDAR, Julieta. El poder y la magia de la palavra. El campo del análisis del discurso. In: LUGO, Norma del Rio (Coord.). La producción textual del discurso científico. México: Universidad Autónoma Metropolitana, 2000. p. 33-65.

KNOLL, Graziela Frainer. Discursos de gênero na publicidade: análise crítica de textos publicitários em revistas. Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 25, n. 2, p.239-252, jul./dez. 2012.

LAZAR, Michelle. Politicizing Gender in Discourse: feminist critical discourse analysis as political perspective and praxis. In: LAZAR, Michelle (Ed.). Feminist Critical Discourse Analysis: Gender, Power and Ideology in Discourse. New York: Palgrave Macmillan, 2005. p. 1-28.

MACÊDO, GOIACIRA N. S. A construção da relação de gênero no discurso de homens e mulheres, dentro do contexto organizacional. 2003. 173f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade Católica de Goiás, 2003.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MAFFESOLI, Michel. Quem é Michel Maffesoli: entrevistas com Christophe Bourseille. Petrópolis: De Petrus et Alii, 2011.

MAINGUENEAU, Dominique. Doze conceitos em Análise do Discurso. Organização Sírio Possenti, Maria Cecília Perez de Souza-e-Silva; tradução Adail Sobral et al. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

MARTINS FERREIRA, Dina Maria. Discurso feminino e identidade social. 2. ed. São Paulo: Annablume Editora, 2009.

OLIVEIRA, Luciano Amaral (Org.). Estudos do discurso: perspectivas teóricas. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.

RAMALHO, Viviane; RESENDE, Viviane. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

RICOEUR, Paul. Hermeneutics and the Human Sciences: Essays on Language, Action and Interpretation. Ed., trans. John B. Thompson. Cambridge: Cambridge University Press, 1981. Doi: https://doi.org/10.1017/CBO9781316534984

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, UFRGS, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez., 1995.

THOMPSON, John B. Ideology and Modern Culture. Cambridge: Polity Press, 1990.

VAN DIJK, Teun A. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.

WODAK, Ruth. Do que trata a ACD – um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Linguagem em

(Dis)curso, Tubarão, v. 4, n. esp., p. 223-243, 2004.

WODAK, Ruth. Gender mainstreaming and the European Union: interdisciplinarity, gender studies and CDA. In: LAZAR, Michelle (Ed.). Feminist Critical Discourse Analysis: Gender, Power and Ideology in Discourse. New York: Palgrave Macmillan, 2005. p. 90-113.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.1.455-489

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)