Variação e definição de queda de sílaba: o contexto segmental em Capivari-SP e Campinas-SP

Eneida de Goes Leal

Abstract


Neste artigo, o objetivo é comparar o nível segmental de variação de queda de sílaba em duas cidades do interior de São Paulo, Capivari e Campinas, com base nos resultados da tese de Leal (2012). Decidiu-se por apresentar exclusivamente os resultados do contexto segmental porque é nesse nível fonológico que o processo é definido (LEAL, 2006, 2007). O trabalho foi fundamentado na geometria de traços (CLEMENTS; HUME, 1995) e na sociolinguística variacionista (cf. LABOV, 1972, 1994, 2001), aplicadas a um corpus de 48 entrevistas (24 em cada cidade). Os resultados revelam que consoantes coronais favorecem, e nasais desfavorecem o processo, em ambos os dialetos. No entanto, há uma grande diferença na implementação com dorsais: o processo é favorecido em Capivari e desfavorecido em Campinas. Quanto às vogais, pudemos verificar que há diferenças nas duas cidades, pois sequências [coronal + coronal] e [dorso-labial + coronal] são neutras em Capivari e favorecidas em Campinas. Também se constatou com os resultados que o OCP atua parcialmente no processo, já que rege a igualdade das consoantes, mas não das vogais. O que parece ser importante são as características da primeira sílaba – aquela sujeita ao apagamento. Finalmente, a análise conclui que a implementação da queda de sílaba se dá diferentemente nas duas cidades, no que concerne ao contexto segmental.


Keywords


queda de sílaba; contexto segmental; sociolinguística variacionista; geometria de traços.

References


ALKMIM, T.M.; GOMES, C.A. Dois fenômenos de supressão de segmentos em limite de palavra. Ensaios de Linguística, v. 7, p. 43-51, 1982. Doi: http://dx.doi.org/10.17851/0101-3548.4.7.43-51.

BATTISTI, E. Haplologia sintática e efeitos da economia. Organon, UFRGS, Porto Alegre, v. 18, n. 36, p. 31-39, 2004. Doi: http://dx.doi.org/10.22456/2238-8915.31152

BATTISTI, E. Haplologia no português do sul do Brasil: Porto Alegre. Letras de Hoje, PUCRS, Porto Alegre, v. 40, n. 3, p. 73-88, 2005.

BISOL, L. O troqueu silábico no sistema fonológico (Um adendo ao artigo de Plínio Barbosa). D.E.L.T.A., PUCSP, São Paulo, v.16, n. 2, p. 403-413, 2000. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-44502000000200007.

BOERSMA, P.; WEENINK, D. Praat: doing phonetics by computer (Versão 5.1.23), 2010. Disponível em: .

CLEMENTS, G.N.; HUME, E. The internal organization of speech sounds. In: GOLDSMITH, J. (Ed.). The Handbook of Phonological Theory. Oxford: Basil Blackwell, 1995. p. 245-306.

CRYSTAL, D. [1985]. Dicionário de linguística e fonética. Trad. [da 2ª ed. inglesa de 1985] Maria Carmelita Pádua Dias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

FIKKERT, P.; LEVELT, C. How does Place fall into Place? The lexicon and emergent constraints in children’s developing phonological grammar. Manuscript, January 2006.

GOLDSMITH, J. Autosegmental Phonology. 1976, 280f. Dissertation (Ph.D.) - MIT, Cambridge MA, 1976.

GOLDSMITH, J. Autosegmental and Metrical Phonology. Oxford: Blackwell, 1990.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: University of Pensilvania Press, 1972.

LABOV, W. Principles of linguistic change. Malden and Oxford: Blackwell Publishers, 1994. v. I: Internal factors.

LABOV, W. Principles of linguistic change. Malden and Oxford: Blackwell Publishers, 2001. v. II: Social factors.

LEAL, E.G. Elisão silábica e haplologia: aspectos fonológicos do falar da cidade paulista de Capivari. 2006, 165f. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Universidade de São Paulo, FFLCH, São Paulo, 2006.

LEAL, E. G. A queda da sílaba: análise do contexto consonantal pela geometria de traços. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL, Edição especial, n. 1, 2007. Disponível em:.

LEAL, E. G. Teoria fonológica e variação: a queda de sílaba em Capivari e em Campinas. 2012. 242f. Tese (Doutorado em Semiótica e Linguística Geral) – FFLCH-USP, São Paulo, 2012.

LEBEN, W. Suprasegmental Phonology. 1973. Dissertation (Ph.D.) – MIT, Cambridge MA, 1973.

MATEUS, M.H.; D’ANDRADE, E. The phonological system of Portuguese. In: MATEUS, Maria H.; D’ANDRADE, E. The phonology of Portuguese. Oxford; New York: Oxford University Press, 2000. p. 29-37.

MCCARTHY, J. On stress and syllabification. Linguistic Inquiry, The MIT Press, v. 10, p. 443-465, 1979.

MCCARTHY, J. Feature geometry and dependency: a review. Phonetica, v. 45, p. 84-108, 1988. Doi: https://doi.org/10.1159/000261820

MENDES, R.M.G. A haplologia no português de Belo Horizonte. 2009. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

NESPOR, M.; VOGEL, M. Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986.

OLIVEIRA, A. J. ‘Comendo o final das palavras’: Análise variacionista da haplologia, elisão e apócope em ltaúna / MG. 2012. Tese (Doutorado) – UFMG, Belo Horizonte, 2012.

OLIVEIRA, A. J.; VIEGAS, M.C. Casos especiais de elisão silábica: uma contribuição aos estudos de gramaticalização. In: VIEGAS, M. C. (Org.). Minas é singular. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2013.

OLIVEIRA, M.; PAZ, F. Haplologia na região amazônica: imagens preliminares. Estudos de Lingüística Galega, Universidade de Santiago de Compostela, v. 5, p. 69-87, 2013.

PARADIS, C.; PRUNET, J. F. Phonetics and phonology: the special status of coronals. San Diego: Academic Press, 1991. v. 2.

PAVEZI, V. C. A haplologia na variedade paulista. 2006. Dissertação (Mestrado) – Unesp, São José do Rio Preto, 2006.

PAZ, F. H. S. Haplologia no falar paraense. 2013. 116 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2013.

PRINCE, A.; SMOLENSKY, P. Optimality theory: constraint interaction in generative grammar (ROA Version 8/2002). Rutgers, NJ: Rutgers Center for Cognitive Science, 1993.

SÁ NOGUEIRA, R. Tentativa de explicação dos fenômenos fonéticos em português. Lisboa: Livraria Clássica Editora, 1958.

SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Toronto: Department of Linguistics, University of Toronto, 2005.

SIMIONI, T.; AMARAL, F.U. A haplologia e o princípio do contorno obrigatório. Revista do GELNE, UFRN, v.13, p. 53-67, 2011.

TENANI, L. E. Domínios prosódicos no português do Brasil: implicações para a prosódia e para a aplicação de processos fonológicos. 2002. Tese. (Doutorado) – UNICAMP, Campinas, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.1.187-220

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)