A diacronia e a sincronia dos pronomes de primeira pessoa do plural "Nós" e "A gente" no português brasileiro e no português uruguaio

Cíntia da Silva Pacheco

Abstract


É importante analisar o percurso histórico da expressão lexical a gente até sua gramaticalização em pronome, com base na descrição diacrônica e sincrônica dos pronomes nós e a gente. Por isso, este estudo explica brevemente a origem do pronome a gente no latim e no português arcaico, estabelece uma comparação entre as gramáticas tradicionais e as descritivas, no que se refere à abordagem de nós e a gente, e explica sucintamente o funcionamento dos pronomes de primeira pessoa do plural no  português brasileiro atual, no português uruguaio e no espanhol uruguaio, para que possamos entender melhor a complexidade desse fenômeno em termos de semelhanças e diferenças entre essas variedades linguísticas.

Keywords


variação nós e a gente; português brasileiro; português uruguaio.

References


AGUIAR, Ofir Bergemann de. O pronome on na tradução do conto “L’aveugle”, de Maupassant: os estudos lingüísticos sub-frásticos devem ser ainda considerados? Tradterm, [S.l.], v. 8, p. 81-98, abr. 2002. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/tradterm/article/view/49122. Acesso em: 5 out. 2014.

ALMEIDA, Napoleão M. Gramática metódica da Língua Portuguesa. 43. ed. São Paulo: Saraiva, 1999.

BAGNO, Marcos. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003.

BAGNO, Marcos. Dramática da língua portuguesa. São Paulo: Loyola, 2005.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. rev. e ampl. 14ª reimpr. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. A análise do português em três continua: o continuum rural-urbano, o continuum de oralidade-letramento e o continuum de monitoração estilística. In: GROBE, S.; ZIMMERMANN, K. “Substandard” e mudança no português do Brasil. Frankfurt am Main: TFM, 1998. p. 101-118.

BRUSTOLIN, Ana Kelly Borba da Silva. Uso e variação de nós e a gente na fala e escrita de alunos do ensino fundamental. In: ENCONTRO DO CELSUL, IX., 2010, Palhoça, SC. Anais... Palhoça-SC: Universidade do Sul de Santa Catarina. 2010. Disponível em: http://www.celsul.org.br/Encontros/09/artigos/Ana%20Brustolin%20_1.pdf. Acesso em: 22 ago. 2014.

CAMÕES, Luís Vaz de. Os Lusíadas. Antologia. Ed. por Evanildo Bechara e Segismundo Spina. Cotia: Ateliê, 1999. Disponível em: http://books.google.com.br/books?id=I_T9Fqq5A7cC&printsec=frontcover&dq=os+lusiadas&hl=en&sa=X&ei=bPoaVNiFFcTBggSmm4D4Cg&ved=0CD8Q6wEwBA#v=onepage&q=os%20lusiadas&f=false. Acesso em: 18 set. 2014.

CAMÕES, Luís Vaz de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.

CARVALHO, Ana Maria. Rumo a uma definição do português uruguaio. Revista Internacional de Linguística Iberoamericana, Iberoamericana Editorial Vervuert, n. 2, p. 125-149, 2003a.

CARVALHO, Ana Maria. The sociolinguistic distribution of (lh) in Uruguayan Portuguese: a case of dialect diffuscion. In: MONTRUL, S.; ORDÓÑEZ, F. (Ed.). Linguistic theory and language development in Hispanic languages. Somerville, MA: Cascadilla Press, 2003b. p. 30-44.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. 1. ed., 1. reimp. São Paulo: Contexto, 2010.

CUNHA, Celso; CINTRA, Lindley. Nova gramática do português contemporâneo. 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

DICIONÁRIO MULTILÍNGÜE: Português, Inglês, Francês, Alemão, Italiano, Espanhol. Reader’s Digest Brasil, 1998.

ELIZAINCÍN, Adolfo. Dialectos en contacto: Español y portugués en España y América. Montevidéu: Arca, 1992.

ELIZAINCÍN, A.; BEHARES, L.; BARRIOS; G. Nós falemo brasilero. Dialectos portugueses en el Uruguay. Montevideo: Amesur, 1987.

FARACO, Carlos Alberto. Lingüística histórica: uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola, 2005.

FARACO, C. E.; MOURA, F. M. de. Gramática. São Paulo: Ática, 2002.

HERMOSO, A. G.; CUENOT, J. R.; ALFARO, M. S. Gramática de español lengua extranjera. Curso Prático. Edelsa: Grupo Didascalia, 2006.

ILARI, Rodolfo. Lingüística românica. 3. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LOPES, C. R. S. A indeterminação no português arcaico e a pronominalização de nominais: mudança encaixada? In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE ESTUDOS MEDIEVAIS DA ABREM, V., 2003, Salvador. Anais... Salvador: Quarteto, 2005.

LOPES, C. R. S. A inserção de ‘a gente’ no quadro pronominal do português. Frankfurt am Main; Madrid: Vervuert/Iberoamericana, 2003. v.18.

LOPES, C. R. S. Nós por a gente: uma contribuição da pesquisa sociolingüística ao ensino. In: CARDOSO, Suzana Alice Marcelino (Org.). Diversidade Lingüística e Ensino. Salvador: EDUFBA, 1996. p. 115-123. Disponível em: http://acd.ufrj.br/~pead/tema14/ponto25.html. Acesso em: 17 mar. 2013.

LUCCHESI, Dante. Variação e norma: elementos para uma caracterização sociolinguística do português do Brasil. Revista Internacional de Língua Portuguesa, Lisboa, v. 12, p. 17-28, 1994.

MAIA, Francisca Paula Soares. Ocorrências e referências de la gente em língua hispânica. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISPANISTAS, V; CONGRESSO INTERNACIONAL DA ABH, I., 2008, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2008. p. 2659-2666. Disponível em: http://www.letras.ufmg.br/espanhol/ Anais/anais_paginas%20_2502-3078/Ocorr%EAncias%20e%20refer%EAncias.pdf. Acesso em: 2 mai. 2014.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 2006.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

NEVES, Maria Helena de Moura. Pronomes. In: CASTILHO, Ataliba Teixeira de; ILARI, Rodolfo; NEVES, Maria Helena de Moura (Org.). Gramática do português culto falado no Brasil. Campinas, SP: Ed. UNICAMP, 2008.

NEVES, Maria Helena de Moura. Que gramática estudar na escola? 3. ed., 2. reimp. São Paulo: Contexto, 2009.

OMENA, N. P. A referência à primeira pessoa do discurso no plural. In: OLIVEIRA E SILVA, Giselle Machline de; SCHERRE, Maria Marta Pereira Scherre. Padrões Sociolinguísticos: análises de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 183-215.

OMENA, N. P. As influências sociais na variação entre nós e a gente na função de sujeito. In: OLIVEIRA E SILVA, Giselle Machline de; SCHERRE, Maria Marta Pereira Scherre. Padrões Sociolinguísticos: análises de fenômenos variáveis do português falado na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 309-323.

PACHECO, Cíntia da Silva. Capítulo 4 - Pressupostos teóricos e procedimentos metodológicos da pesquisa. In: ______. Alternância NÓS e A GENTE no português brasileiro e no português uruguaio da fronteira Brasil-Uruguai (Aceguá). 2014. 311 f. Tese (Doutorado) – UnB, Brasília, 2014.

RONA, José Pedro. El dialecto “fronterizo” del norte del Uruguay. Montevideo: Adolfo Linardi, 1965.

RUBIO, Cássio Florêncio. Padrões de concordância verbal e de alternância pronominal no português brasileiro e europeu: estudo sociolinguístico comparativo. 2012. 393 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio Preto, 2012.

SANTOS, N. V.; COSTA, E. D.; SILVA, F. A. O uso do “nós” e do “a gente” na escrita de estudantes universitários. In: FÓRUM IDENTIDADES E ALTERIDADES, V., CONGRESSO NACIONAL EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE, I., 2011. UFS – Itabaiana/SE, 2011.

SCHERRE, Maria Marta Pereira; NARO, Anthony Julius. Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2007.

SOARES, Carolina Noémia Abranches de Sousa. Sangue Negro. Maputo: Associação dos Escritores Moçambicanos, 2001. p. 136-137.

TAGLIAMONTE, Sali. A. Analysing sociolinguistic variation. New York: Cambridge University Press, 2006.

TEYSSIER, Paul. História da Língua Portuguesa. Tradução Celso Cunha. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VIANNA, J. B. S. Semelhanças e diferenças na implementação de a gente em variedades do português. 2011. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

ZILLES, Ana Maria S. O que a fala e a escrita nos dizem sobre a avaliação social do uso de a gente? UNISINOS/UFRGS. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 27-44, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.1.221-253

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)