Desambiguização de sentenças na interface fonologia-sintaxe: resultados perceptuais / Sentence disambiguation in the phonology-syntax interface: results from a comprehension study

Melanie Campilongo Angelo, Raquel Santana Santos

Abstract


Este artigo analisa a compreensão no português brasileiro da pista prosódica de duração de sílabas em sentenças ambíguas do tipo SN1-V-SN2-Atributo (e.g. ‘A mãe encontrou a filha suada’). Fonologicamente, tais leituras podem ser explicadas pelo fato de o atributo poder ou não se juntar a seu núcleo na construção do domínio da frase fonológica (NESPOR; VOGEL, 1986), e de que, se há fronteira de domínios, um alongamento é esperado (FOUGERON; KEATING, 1997). O estudo propõe que o alongamento é um fenômeno opcional no PB. Um experimento de picture matching é aplicado para versões de estruturas de aposição não local e local de nove sentenças. Os resultados apontaram para diferenças significativas conforme o tipo de estrutura sintática. As diferentes sentenças também se mostraram relevantes para a interpretação de que, ainda que o alongamento seja opcional na produção, uma vez realizado, ele serve como condutor para uma interpretação não local. Os resultados para uma interpretação local parecem decorrer da interação entre o Princípio de Late Closure (FRAZIER, 1979) com a estrutura prosódica da sentença. Por fim, a análise evidencia que estruturas do tipo small clause interferem no processo de alongamento e, assim, este artigo defendeue isso ocorre porque a reestruturação prosódica é bloqueada neste tipo de estrutura sintática.


Keywords


aposição local; aposição não local; fronteira prosódica; alongamento; small clauses.

References


ABOUSALH, E. F. Resolução de choques de acento no português brasileiro. 157 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos Linguísticos, Universidade de Campinas, Campinas, SP, 1997.

ANGELO, M. C. Produção e percepção na desambiguação de sentenças sintaticamente ambíguas do português brasileiro através da pista prosódica de duração. 2016. 215 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade São Paulo, São Paulo, 2016.

ANGELO, M. C.; SANTOS, R. S. A prosódia em sentenças sintaticamente ambíguas do Português Brasileiro: Pistas de duração. Alfa: Revista de Lingüística, UNESP, v. 59, p. 375-403, 2015. https://doi.org/10.1590/1981-5794-1504-7.

CHO, T.; KEATING, P. Articulatory strengthening at the onset of prosodic domains in Korean. Journal of Phonetics, Los Angeles, CA, v.28, p.155-190, 2001. https://doi.org/10.1006/jpho.2001.0131.

CHOMSKY, Noam. Remarks on nominalization. In: JACOBS, R. A.; ROSENBAUM, P. S. (Ed.). Readings in English transformational grammar, Boston: Ginn, 1970. p. 184-221.

CHOMSKY, Noam. Knowledge of language: its nature, origin and use. New York: Praeger, 1986.

CHOMSKY, N.; LASNIK, H. A Remark on contraction. Linguistic Inquiry, Camberra, v. 9, n. 2, p. 268-274, 1978.

FINGER, I.; ZIMMER, M. A preferência de interpretação de orações relativas curtas e longas no português brasileiro. In: MAIA, M,; FINGER, I. (Org.). Processamento da Linguagem: Série Investigações em Psicolinguística GT de Psicolinguística da ANPOLL. Pelotas: Educat, p. 111-129, 2005.

FODOR, J. D. Learning to parse? Journal of Psycholinguistic Research, Springer Link, n. 27, p. 285-319, 1998.

FODOR, J. D. Prosodic disambiguation in silent reading. Proceedings of North East Linguistic Society, University of Massachusetts, Amherst, MA, n. 32, p.113-132, 2002a.

FODOR, J. D. Psycholinguistics cannot escape prosody. In: SPEECH PROSODY CONFERENCE, 2002, Aix-en-Provence, France. Aix-en-Provence: Laboratoire Parole et Langage, 2002b.

FOLTRAN, M. J. As construções de predicação secundária no português do Brasil: aspectos sintáticos e semânticos. 1999. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

FOLTRAN, M. J.; MIOTO, C. A favor das small clauses revistadas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, Unicamp, v. 49, n. 1, 2007.

FONSECA, A. A. Pistas prosódicas e o processamento de sentenças ambíguas do tipo “SN1-V-SN2-Atributo” do Português Brasileiro. 2008. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

FONSECA, A. A.; MAGALHÃES, J. O. A influência de pistas prosódicas no processamento de frases: um estudo da estrutura SN1-V-SN2-ATRIBUTO no português brasileiro. Alfa – Revista de Linguística, São Paulo, v. 33, n. 55, p. 1-18, 2008.

FOUGERON, C.; KEATING, P. Articulatory strengthening at edges of prosodic domain. Journal of the Acoustical Society of America, Los Angeles, v. 106, p. 3728-3740, 1997. https://doi.org/10.1121/1.418332.

FRAZIER, L. On comprehending sentences: syntactic parsing strategies. 1979. Tese (Doutorado) – University of Connecticut [reproduzida por Indiana University Linguistics Club], 1979.

FRAZIER, L.; FODOR, J. The sausage machine: a new two-stage parsing model. Cognition, Elsevier, v.6, p. 291-326, 1978. https://doi.org/10.1016/0010-0277(78)90002-1.

FROTA, S. Prosody and focusing in European Portuguese. Phonological phrasing and intonation. New York: Garland Publishing. 2000.

GUIMARÃES, M. Unifying LCA & prosodic phrasing in the minimalist program. In: WORKSHOP ON THEORY OF GRAMMAR: PROBLEMS AT PF AND LF INTERFACE LEVELS, 1997. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1997. Trabalho apresentado.

KEATING, P.; CHO, T.; FOUGERON, C.; HSU, C. Domain-initial articulatory strengthening in four languages. In: LOCAL, J.; OGDEN, R.; TEMPLE, R. (Ed.). Phonetic interpretation (Papers in Laboratory Phonology 6). Cambridge: Cambridge University Press, 2003. p.143-161.

KLATT, D. Linguistics Uses of Segmental Duration in English: Acoustic and Perceptual Evidence. Journal of Acoustic Society of America, Los Angeles, v. 59, p.1208-1221, 1976. https://doi.org/10.1121/1.380986.

LEHISTE, I. Phonetic disambiguation of syntactic ambiguity. Glossa, v. 7, p. 107-122, 1973. https://doi.org/10.1121/1.1982702.

LIGHTFOOT, D. Trace Theory and Twice-moved NPs. Linguistic Inquiry, Camberra, v. 7, n.1, p. 559-582, 1976.

LOURENÇO-GOMES; M. C.; MORAES, J. Efeitos da duração da vogal tônica na percepção de fronteira prosódica em orações relativas estruturalmente ambíguas. ENCONTRO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LINGÜÍSTICA, IV., Brasília. Anais... Brasília: Universidade de Brasília. 2005. p. 88. CD-ROM.

MAGALHÃES, J. O.; MAIA, M. Pistas prosódicas implícitas na resolução de ambiguidades sintáticas: um caso de adjunção de atributos. Revista da ABRALIN, Florianópolis, v.5, n.1-2, p.143-167, 2006.

MAIA, M. A. R.; FERNÁNDEZ, E.; COSTA, A.; LOURENÇO-GOMES, M. C. Early and late preferences in relative clause attachment in Portuguese and Spanish. Journal of Portuguese Linguistics, v.5/6,

p. 227-250, 2007.

MIYAMOTO, E. T. Relative clause processing in Brazilian Portuguese and Japanese. 1999. Tese (Doutorado) - MIT, Massachusetts, 1999.

MIYAMOTO, E. T. Orações relativas ambíguas e a homogeneidade do processamento de sentenças. In: MAIA, M.; FINGER, I. (Org.). Processamento da Linguagem. Pelotas: EDUCAT, 2005. 535p.

NESPOR, M.; VOGEL, I. Prosodic phonology. Dordrecht: Foris Publications, 1986.

OLLER, K. The effect of position in utterance on speech segment duration in English. Journal of Acoustic Society of America, Los Angeles, v. 54,

p. 1235-1247, 1973. https://doi.org/10.1121/1.1914393.

RIBEIRO, A. J. Um caso de não aplicação preferencial do princípio de Late Closure. In: CONGRESSO DA ASSEL, IX., Rio de Janeiro, 2001. Artigo lido.

SÂNDALO, F.; TRUCKENBRODT, H. Some notes on phonological phrasing in Brazilian Portuguese. MIT Working Papers in Linguistics, Cambridge, MA. v. 42, p. 285-310, 2002.

SANTOS, R. S. Traces, pro and stress shift in Brazilian Portuguese. Journal of Portuguese Linguistics, Lisboa, v. 2, n. 2, p. 101-113, 2003.

SANTOS, R. S.; LEAL, E. G. Os domínios prosódicos e a duração de sílaba no português brasileiro. Revista da ABRALIN, Florianópolis, v. 5, n. 1, p. 143-167, 2008.

SELKIRK, E. Phonology and Syntax: the relation between sound and structure. Cambridge: MIT Press, 1984.

STARKE, M. On the format of small clauses. In: CARDINALETTI, A.; GUASTI, M. T. (Org.). Syntax and Semantics: small clauses. San Diego, California: Academic Press, 1995. v. 28, p. 237-269.

STOWELL, T. Subjects across categories. The Linguistic Review, Walter De Gruyter, v. 2, p. 285-312, 1983.

TABAIN, M. Effects of prosodic boundary on /aC/ sequences: articulatory results. Journal of Acoustic Society of America, Los Angeles, v. 113,

p. 2834-2849, 2003. https://doi.org/10.1121/1.1564013.

VIGÁRIO, M. The prosodic word in European Portuguese. Berlin: Mounton de Gruyter, 2003. https://doi.org/10.1515/9783110900927.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.25.3.1143-1182

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2017 REVISTA DE ESTUDOS DA LINGUAGEM

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)