Verbete toponímico: microestruturas para hidrônimos / Toponymic Entry: Microstructures for Hydronyms

Ana Claudia Castiglioni

Abstract


Resumo: O objeto de estudo da Toponímia são os topônimos, analisados sob diferentes perspectivas, como a sua origem, sua significação, sua transformação, sua classificação taxionômica. Neste artigo será apresentada a proposta de três modelos de microestrutura para verbetes toponímicos a partir dos pressupostos teóricos da Toponímia e da Terminologia: um para verbetes cujas entradas designam conceitos relativos a elementos hidrográficos e a conceitos-chave do conjunto toponímico, outro para a constituição dos verbetes que têm como entradas os sintagmas toponímicos e um terceiro remissivo. O corpus que serviu como base para formulação dos modelos foi o repertório das unidades léxicas que designam o nome dos elementos geográficos referentes à água, arroio, baía, cabeceira, cabo, cachoeira, canal, catarata, corixão, corixo, córrego, foz, lago, lagoa, nascente, represa, riacho, ribeira, ribeirão, rio, riozinho, salto, sanga, vazante e volta. Esses hidrônimos foram obtidos no banco de dados do projeto Atlas Toponímico do Estado de Mato Grosso do Sul – ATEMS. As microestruturas propostas poderão ser opção para subsidiar a elaboração de dicionários toponímicos que, além de registrarem os nomes próprios com sua respectiva localização e causas que motivam a nomeação, também contribuem para o resgate e o registro social, histórico e cultural de uma região.

Palavras-chave: Toponímia; Terminografia; topônimos; microestrutura.

Abtract: The object of study of Toponymy are toponyms, seen from different perspectives such as their origin, meaning, changes, and categorization. This paper will present the proposal of three microstructure models for toponymic entries based on the theoretical assumptions of Toponymy and Terminography: one for entries whose input word designate concepts related to hydrographic elements and key concepts of the toponymic set, another for the constitution of entries that have as input word the toponymic phrases and a third remissive. The corpus that served as basis for the formulation of the models was the repertoire of lexical units that designate the name of the geographic elements referring to water, brook, bay, headland, cable, waterfall, channel, cataract, corixão, corixo, stream, estuary, lake, lagoon, spring, dam, creek, stream, creek, river, sanga, ebb and curve. These hydronyms were obtained from the Atlas Toponímico do Estado de Mato Grosso do Sul – ATEMS. The proposed microstructures may be an option to subsidize the development of toponymic dictionaries that, in addition to registering proper names with their respective location and causes that motivate their nomination, also contribute to the rescue and social, historical and cultural registration of a region.

Keywords: Toponymy; Terminography; toponyms; microstructure.


Keywords


Toponymy; Terminography; toponyms; microstructure.

References


ALMEIDA, Valério de. Campo Grande de outrora. Campo Grande: Letra Livre, 2003.

ALVES, Gilberto Luiz. Mato Grosso do Sul: o universal e o singular. Campo Grande: Editora Uniderp, 2003.

AMARILHA, Tertuliano. Flores dos prados matogrossenses. São Paulo: [s.n.], 1973.

BÁEZ, Renato. Corumbá: Lembranças e tradições. São Paulo: Editora Resenha Tributária, 1980.

BARROS, Lidia Almeida. Curso básico de terminologia. São Paulo: Editora da USP, 2004.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2009.

BIDERMAN, Maria Tereza Camargo. O dicionário como norma na sociedade. In: ENCONTRO NACIONAL DO GT DE LEXICOLOGIA, LEXICOGRAFIA E TERMINOLOGIA, 1º, 1997. Anais... Recife: Editora Universitária UFPE, 1997. v. 1, p. 161-180.

BORBA, Francisco da Silva. Organização de dicionários: uma introdução à lexicografia. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Vocabulário básico de recursos naturais e meio ambiente. Rio de Janeiro:IBGE, 2004.

BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Glossário dos termos genéricos dos nomes geográficos utilizados no mapeamento sistemático do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

CAMPESTRINI, Hildebrando. Santana do Parnaíba (de 1700 a 2002). Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2002.

CAMPESTRINI, Hildebrando; GUIMARÃES Acyr Vaz. História de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso do Sul, 2002.

CARDOSO, Armando Levy. Toponímia Brasílica. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1961.

CATTANIO, Maria Bernadeth. A dinâmica urbana e a estruturação espacial de Três Lagoas. 1976. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia Ciências e Letras ‘Sagrado Coração de Jesus’, Bauru, 1976.

CUCHIARO, Galdino; PAULICHI, José. Comendador Júlio Martins. Bandeirante do Brasil presente. Chapadão do Sul: IBECM, 1994.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário histórico das palavras portuguesas de origem tupi. São Paulo: Melhoramentos; Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

CUNHA, Antonio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexicon Editora Digital, 2007.

CUNHA. Marlei. Antonio Pires de Campos, Pai Pira: o Bandeirante. Paranaíba: Gráfica Luan, 1988.

CUNHA, Marlei. Costa Rica: história e genealogia. Campo Grande: Fênix, 1992.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Edições Arquivo do Estado, 1990.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e antroponímia no Brasil. Coletânea de estudos. São Paulo: Serviço de Artes Gráficas; FFLCH/USP, 1992.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Métodos e questões terminológicas na Onomástica: estudo de casos. Investigações Lingüísticas e Teoria Literária, Recife, v. 9, p. 119-148, 1999.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Rede de conhecimento e campo lexical: hidrônimos e hidrotopônimos na onomástica brasileira. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; KRIEGER, Maria da Graça. As ciências do léxico: lexicologia, lexicografia e terminologia. Campo Grande: Editora da UFMS, 2004. v. II, p. 121-130.

DUTRA, Carlos Alberto dos Santos. O território Ofaié pelos caminhos da história. Campo Grade: FCMS; Life Editora, 2011.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário eletrônico Aurélio. Curitiba: Positivo: 2004.

FERREIRA NETO, João. Raízes de Coxim. Campo Grande: UFMS, 2004.

GRESSLER, Lori Alice; VASCONCELOS, Luiza Mello. Mato Grosso do Sul: aspectos históricos e geográficos. Dourados: L. Glesser, 2005.

GUASCH, Antonio. Diccionario castellano-guarani y guarani-castellano: sintáctico, fraseológico, ideológico. Sevilla: Graficas La Gavidia, 1961.

GUERRA, Antonio Teixeira; GUERRA, Antonio José Teixeira. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

HOUAISS, Antonio. Dicionário eletrônico Houaiss. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2009.

KRIEGER, Maria da Graça; FINATO, Maria José Bocorny; Introdução à terminologia: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2004.

LEVORATO, Adão Valdemir. Três Lagoas: dama em preto e branco, 1918-1964. Três Lagoas: Graf Set, 1999.

LOPES, Aldo. Chão temporão. [S.1.]: [s.n.], 1984.

LUZ FILHO, Gervasio dos Santos. A fragmentação rural do município de Três Lagoas. 2004. Monografia (Graduação) – UFMS, Três Lagoas, 2004.

MARINHO, Marcelo; MARTINS, Júlio Alves. Pouso Frio: as mais de 12 vidas de um aviador pioneiro no cerrado brasileiro. Campo Grande: UCDB, 2007.

MARTIN, Jesus Hernandez. A história de Três Lagoas. São Paulo: Ed. do autor, 2000.

MARTINS, Gilson Rodolfo. Arqueologia do Planalto Maracaju-Campo Grande. Brasília: Ministério da Integração Nacional; Campo Grande: UFMS, 2003.

MOREIRA, Marco Antonio Leite. As molduras vegetais do córrego da Onça – Três Lagoas/MS. 2006. Monografia (Graduação) – UFMS, Três Lagoas, 2006.

NASCENTES, Antenor. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves; Acadêmica; São José; Livros de Portugal, 1952. Tomo II: Nomes próprios.

NASCENTES, Antenor. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Francisco Alves; Acadêmica; São José; Livros de Portugal, 1955.

NEVES, Maria Helena Moura. Gramática de usos do português. Araraquara: Ed. UNESP, 2000.

PARRA, Maria Aparecida Teste. Regiões bioclimáticas do estado de Mato Grosso do Sul. 2001. Monografia (Graduação) - UNESP, Rio Claro, 2001.

PASSOS, Messias Modesto dos. A raia divisória: São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

PEDROSA, Ledir Marques. Origem histórica e bravura dos Barbosas: árvore genealógica e história. Campo Grande: [s.n.], 1986.

QUEIROZ, Aldo de. Com os pés na terra. [S.1.]: Lellográfica, 1974.

REVISTA DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DE MATO GROSSO DO SUL-IBGE. Campo Grande, 1998.

RONDON, Lucídio. Geografia e história de Mato Grosso. [S.1.: s.n.], 1970.

SAMPAIO, Mário Arnaud. Vocabulário guarani-português. Porto Alegre: L&PM, 1986.

SAMPAIO, Teodoro. O tupi na geografia nacional. São Paulo: Editora Nacional; Brasília: INL, 1987.

SAMPAIO, Theodoro. O tupi na geografia nacional. Salvador: Secção Graphica da Escola de Aprendizes Artificies, 1928.

SANTOS, José de Oliveira. Três caravanas às selvas brasileiras. Jundiaí: Literart, [s/d].

SILVA, Edima Aranha; ALMEIDA, Rosemeire Aparecida. Territórios e territorialidades no Mato Grosso do Sul. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

SOUZA, Maria Aparecida de. Estudo de caso da sub-bacia do ribeirão Campo Triste e a importância das sub-bacias hidrográficas para a preservação dos recursos hídricos. 2003. Monografia (Gradução) – UFMS, Três Lagoas, 2003.

SPENGLER, Henrique de Melo. Porto Murtinho: história e cultura. Coxim: Editora dos Autores, 2007.

TAUNAY, Visconde de. A retirada da Laguna. São Paulo: Editora Martin Claret, 2005.

TIBIRIÇÁ, Luiz Caldas. Dicionário de topônimos brasileiros de origem tupi: significado dos nomes geográficos de origem tupi. São Paulo: Traço Editora, 1985.

VASCONCELLOS, José Leite de. Opúsculos. Onomatologia. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1931. v. III.

WEINGARTNER, Alisolete Ântonia dos Santos. Movimento divisionista em Mato Grosso do Sul (1889-1930). Porto Alegre: EST Edições, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.3.1095-1122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2018 Ana Claudia Castiglioni

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)