Toponímia religiosa em Minas Gerais: os nomes dos municípios / Minas Gerais religious toponymy: the names of municipalities

Ana Paula Mendes Alves de Carvalho

Abstract


Resumo: Adotando os pressupostos teórico-metodológicos da Toponímia, este trabalho tem por objetivo apresentar um estudo toponímico dos 853 nomes de municípios de Minas Gerais, dos quais, sincronicamente, 103 – ou 12% do total – são nomes relativos à Nossa Senhora e aos santos e santas da Igreja Católica. Diacronicamente, entretanto, outros 329 municípios – 38,6% – já tiveram, ao longo de sua história, designações toponímicas dessa mesma natureza; alguns deles com mais de uma denominação como é o caso do município de Água Boa cujos topônimos anteriores já foram São José da Água Boa e Santana da Água Boa. Verificou-se, então, que os motivos para escolha do nome de um munícipio – acidente urbano –, além de observar legislação específica, pauta-se pela subjetividade coletiva e, muitas vezes, também por interesses políticos. Assim, muitos topônimos referentes aos municípios mineiros foram substituídos com o passar do tempo, sobretudo no que concerne aos mariotopônimos. Esses topônimos, no entanto, pelas reduções referentes aos títulos que acompanham a expressão Nossa Senhora, deixaram vestígios de sua origem religiosa em todo o território mineiro, o que pode ser observado pela quantidade considerável de denominações toponímicas atuais constituídas a partir dos determinantes Carmo, Conceição e Dores, por exemplo.

Palavras-chave: léxico; cultura; toponímia religiosa; Minas Gerais; municípios.

Abstract: Based on Toponymy theoretical and methodological assumptions, this paper aims to present a toponymic study of the 853 names of Minas Gerais municipalities, of which, synchronously, 103 - or 12% of the total - are names related to the Holy Mother (Virgin Mary) and the female and male saints of the Catholic Church. Diachronically, however, another 329 municipalities – 38,6% – have had toponymic names of this same nature throughout their history; some of them with more than one denomination as, for example, the municipality of Água Boa whose previous toponyms have been São José da Água Boa (Saint Joseph of Água Boa) and Santana da Água Boa (Saint Anne of Água Boa). It was verified, then, that the reasons for choosing the name of a municipality – an urban accident –, besides observation of specific legislations, are guided by collective subjectivity and, many times, also by political interests. Thus, many toponyms referring to the Minas Gerais municipalities have been replaced with time, especially in what mariotopônimos (names based on the names for the Virgin Mary) are concerned. These toponyms, however, due to the reductions referring to the titles that accompany the expression Holy Mother / Our Lady, left traces of their religious origin throughout all of the territory of Minas Gerais; this can be observed by the considerable amount of current toponymic denominations constituted from the determinants Carmo (Carmel), Conceição (Conception) and Dores (Sorrows), for example.

Keywords: lexicon; culture; religious toponymy; Minas Gerais; municipalities.


Keywords


lexicon; culture; religious toponymy; Minas Gerais; municipalities.

References


ANANIAS, A. C. C. S. Um passear pela toponímia das mesorregiões das mesorregiões de Toledo e Foz do Iguaçu. 2013. 268f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Centro de Letras e Ciências Humanas, UEL, Londrina, 2013.

BIDERMAN, M. T. C. Dimensões da palavra. In: MEGALE, H. (Org.). Filologia e Linguística Portuguesa. São Paulo: Humanitas; FFLCH/USP, 1998. n. 2, p. 81-118. Doi: https://doi.org/10.11606/issn.2176-9419.v0i2p81-118

BOSCHI, C. C. Os leigos e o poder. São Paulo: Ática, 1986. p. 71-167.

CARVALHINHOS, P. de J. Hierotoponímia Portuguesa. Os nomes de Nossa Senhora. In: IX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA, 2005, Rio de Janeiro. Livro de Resumos e Prorrogação. Rio de Janeiro: Cifefil, 2005. v. IX. p. 75-76.

CARVALHO, A. P. M. A. Hagiotoponímia em Minas Gerais. 2014. 821f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, 2014.

CARVALHO, F. de A. Entre a palavra e o chão: memória toponímica da estrada real. 2012. 534f. Tese (Doutorado em Linguística) – FFLCH/USP, São Paulo, 2012.

CASTIGLIONI, A. C. Glossário de topônimos do bolsão sul-mato-grossense. 2008. 279f. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Centro de Ciências Humanas e Sociais, Campo Grande, 2008.

CHAVES, Luís. Influências religiosas na formação da Toponímia e Antroponímia em Portugal. Lisboa: Tip. Casa Portuguesa, 1957. Disponível em: http://bibliotecas.patrimoniocultural.pt/oarqueologo/OAP_S2_v3_1956/OAP_S2_v3_1956_150dpi_pdf/p177-210/p177-210.pdf. Acesso em: 16 abr. 2014.

COSTA, Antônio Gilberto; RENGER, Ewald Friedrich; FURTADO, Júnia Ferreira; SANTOS, Márcia Maria Duarte dos. Cartografia das Minas Gerais – da Capitania à Província. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2002.

COSTA, Joaquim Ribeiro. Toponímia de Minas Gerais: com estudo histórico da divisão administrativa. Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas Gerais, 1970.

DAIX, Georges. Dicionário dos Santos: do calendário romano e dos beatos portugueses. Lisboa: Terramar, 2000.

DAUZAT, A. Les noms de lieux. Paris: Delagrave, 1926.

DIAS, Geraldo J. A Coelho. A devoção do povo português a Nossa Senhora nos tempos modernos. Historia: Revista da Faculdade de Letras, n. 4, p. 227-256, 1987. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/2061.pdf. Acesso em: 12 mar. 2014.

DICK, M. V. P. A. Etnia e etinicidade. Um outro modo de nomear. Projetos ATESP/ATB. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; FINATTO, Maria José Bocorny (Org.). As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. Campo Grande (MS): Ed. UFMS; Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010. v. IV.

DICK, M. V. P. A. Fundamentos Teóricos da Toponímia. Estudo de caso: o Projeto ATEMIG – Atlas Toponímico do estado de Minas Gerais (variante regional do Atlas Toponímico do Brasil). In: SEABRA, M. C. T. C. (Org.). O léxico em estudo. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2006. p. 91-117.

DICK, M. V. P. A. Rede de conhecimento e campo lexical: hidrônimos e hidrotopônimos na onomástica brasileira. In: ISQUERDO, Aparecida Negri; KRIEGER, Maria da Graça (Org.). As Ciências do Léxico: lexicologia, lexicografia, terminologia. Campo Grande, MS: UFMS, 2004. v. II, p. 121-130.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. A motivação toponímica e a realidade brasileira. São Paulo: Governo do Estado de São Paulo; Edições Arquivo do Estado, 1990a.

DICK, M. V. de P. do A. Toponímia e Antroponímia no Brasil. Coletânea de Estudos. 2. ed. São Paulo: FFLCH/USP, 1990b.

DURANTI, A. Antropologia Linguística. Trad. Pedro Tena. Madrid: Cambridge University Press, 2000.

GONZALEZ, J. D. Alguns nomes de santos, do latim ao galego-português. Cad. Vianenses, Universidade de Santiago de Compostela, v. 30, 63-79, 2001. Disponível em: http://gib.cm-viana-castelo.pt/documentos/20081013125552.pdf. Acesso em: 20 jul. 2012.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Informações sobre os municípios brasileiros. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/xtras/home.php. Acesso em: 5 nov. 2010.

IGA/ALMG. As denominações urbanas de Minas Gerais: cidades e vilas mineiras com estudo toponímico e da categoria administrativa. 2. ed. Belo Horizonte: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, 1997.

KUHNEN, Alceu. As origens da Igreja no Brasil – 1500-1522. Bauru: EDUSC, 2005.

MATORÉ, George. La méthode em lexicologie. Domaine Française. Paris: Didier, 1953.

MEGALE, N. B. Santos do povo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 2002.

MEGALE, H. Bandeira e bandeirantes. In: ______. (Org.) Filologia Bandeirante. Estudos 1. São Paulo, Humanitas, 2000. p. 15-48.

MENÉNDEZ PIDAL, R. Toponimia Prerrománica Hispánica. Madrid: Gredos,1952

SAPIR, Edward. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1961.

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. A formação e a fixação da língua portuguesa em Minas Gerais: a toponímia da região do Carmo. 2004. 368f. Tese (Doutorado em Linguística) – UFMG, Belo Horizonte, 2004.

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. A rota das bandeiras no Estado de Minas Gerais: a região do Carmo. In: MEGALE, Heitor (Org.). Filologia Bandeirante. Estudos 1. São Paulo: Humanitas, 2000. p. 107-112.

TORRES, J. C. O. História de Minas Gerais. Belo Horizonte: Difusão Pan-Americana do Livro, [s.d.]. v. 3.

VASCONCELOS, S. Bandeirismo. Belo Horizonte: Biblioteca Mineira de Cultura, 1944.

ZAMARIANO, M. Estudo Toponímico no espaço geográfico das mesorregiões paranaenses: Metropolitana de Curitiba, Centro-Oriental e Norte Pioneiro. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências e Humanas, Londrina, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.26.3.1123-1150

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2018 Ana Paula Mendes Alves de Carvalho

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)