Jurisprudência sobre a extensão do escopo da Lei Maria da Penha a homens heteroafetivos vítimas de violência doméstica e familiar: análise pragmático-cognitiva / Jurisprudence about the extension of the scope of Maria da Penha Law to heterosexual men as victims of domestic and family violence: cognitive-pragmatic analysis

Fábio José Rauen, Bárbara Mendes Rauen

Abstract


Resumo: Analisamos neste artigo jurisprudências sobre a extensão do escopo da Lei Maria da Penha a homens heteroafetivos vítimas de violência doméstica e familiar. Para dar conta desse objetivo, aplicamos o aparato descritivo e explanatório da teoria de conciliação de metas e da teoria da relevância em cinco acórdãos sobre conflitos de competência selecionados dos tribunais de justiça da região sul do Brasil a partir de 2010. Os resultados sugerem haver uma interpretação categórica segundo a qual a Lei Maria da Penha deve ser aplicada somente em casos onde o sujeito passivo de violência doméstica e familiar é mulher (sexo), de modo que os respectivos processos não devem ser julgados por tribunais especiais.

Palavras-chave: pragmática cognitiva; teoria de conciliação de metas; teoria da relevância; Lei Maria da Penha; jurisprudência.

Abstract: We analyze in this article the jurisprudence about the extension of the scope of the Law 11.340/06—Maria da Penha Law—to encompass heterosexual men as victims of domestic and family violence. We apply the goal-conciliation and relevance-theoretic descriptive and explanatory apparatus on five selected cases of jurisdiction conflicts from the courts of justice of the southern region of Brazil since 2010. The results suggest a categorical interpretation according to which the Law should be applied only in cases where the passive subject of domestic and family violence is female (sex), in such a way the cases should not be judged in special courts.

Keywords: cognitive pragmatics; goal-conciliation theory; relevance theory; Maria da Penha law; jurisprudence.


Keywords


cognitive pragmatics; goal-conciliation theory; relevance theory; Maria da Penha law; jurisprudence; pragmática cognitiva; teoria de conciliação de metas; teoria da relevância; Lei Maria da Penha; jurisprudência.

References


ARAUJO, L. A. D.; NUNES JÚNIOR, V. S. Curso de direito constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

BIANCHINI, A. Lei Maria da Penha: Lei N. 11.340/206: aspectos assistenciais, protetivos e criminais da violência de gênero. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2014

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 ago. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 23 maio 2014.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 23 maio 2014.

CAIXETA, M. M. Violência doméstica contra o gênero masculino. 2011. 81 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Faculdade de Direito, Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2011.

DIAS, M. B.; REINHEIMER, T. L. Da violência contra a mulher como uma violação de direitos humanos – artigo 6º. In: CAMPOS, C. H. de (Org.). Lei Maria da Penha comentada em uma perspectiva jurídico-feminista. São Paulo: Lumen Juris, 2011. p. 195-200.

HARMAN, G. The inference to the best explanation. Philosophical Review, Durham, v. 74, p. 88-95, 1965. Doi: https://doi.org/10.2307/2183532

LARRAURI, E. Mujeres, derecho penal y criminología. Madrid: Siglo Veinteuno, 1994.

MAIA, A. P.; BEZERRA, L. P. Transexuais e o direito à identidade de gênero: a interlocução entre os princípios da dignidade da pessoa humana, da igualdade e da liberdade. Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 1688-1717, 2017.

NUCCI, G. de S. Manual de direito penal. 9. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

OEA. Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Caso 12.051, Relatório 54/01, Maria da Penha Maia Fernandes. Brasil, 2001. Disponível em: http://www.sbdp.org.br/arquivos/material/299_Relat%20n.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

PARANÁ. Tribunal de Justiça. Conflito de competência crime nº 647.834-8. Relator: Des. Luiz Osório Moraes Panza, 25 de fevereiro de 2010. Disponível em: http://www.tjpr.jus.br. Acesso em 11 dez. 2017.

PELICANI, R. B. A Lei Maria da Penha e o princípio da igualdade: interpretação conforme a Constituição. Revista do Curso de Direito, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 237-262, 2007.

PIMENTEL, S. Convenção sobre a eliminação de todas as formas de discriminação contra a mulher. 1979. Disponível em: http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2013/03/convencao_cedaw.pdf. Acesso em: 22 out. 2017.

PSILLOS, S. Simple the best: A Case for Abduction. In: KAKAS, A. C.; SADRI, F. (eds.). Computational Logic: Logic Programming and Beyond. Berlin: Springer-Verlag, 2002. p. 605-626. Disponível em: http://www.phs.uoa.gr/~psillos/. Acesso em: 2 set. 2013.

RAUEN, B. M. Aplicação da Lei Maria da Penha em casos envolvendo vítimas transexuais femininas: análise fundamentada no conceito de violência de gênero em jurisprudências selecionadas de tribunais de justiça. 2017. 82 f. Monografia (Bacharelado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2017.

RAUEN, B. M. Extensão do escopo da Lei Maria da Penha a homens vítimas de violência doméstica e familiar em Pelicani (2007): análise de viés pragmático cognitivo, 2015. 5 f. Projeto (Iniciação Científica) – Faculdade de Direito, Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, 2015.

RAUEN, F. J. Por uma modelação abdutivo-dedutiva de interações comunicativas. In: TENUTA, A. M.; COELHO, S. M. (Org.). Uma abordagem cognitiva da linguagem [livro eletrônico]: perspectivas teóricas e descritivas. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2018. p. 13-29.

RAUEN, F. J. Hipóteses abdutivas antefactuais e modelação proativa de metas. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 38, n. 65, p. 188-204, 2013.

RAUEN, F. J. For a goal conciliation theory: ante-factual abductive hypotheses and proactive modelling. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 14, n. 3, p. 595-625, 2014.

RAUEN, F. J. Roteiros de iniciação científica: os primeiros passos da pesquisa científica desde a concepção até a produção e a apresentação. Palhoça: Ed. da Unisul, 2015.

RAUEN, F. J.; RAUEN, B. M. Extensão do escopo da Lei Maria da Penha a homens vítimas de violência doméstica e familiar em Pelicani (2007): uma análise pragmático-cognitiva. 2018. Inédito.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Conflito de jurisdição nº 70075577759 (nº CNJ: 0321890-19.2017.8.21.7000). Relator: Des. Jayme Weingartner Neto, 29 de novembro de 2017. Disponível em: http://www.tjrs.jus.br. Acesso em 11 dez. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Conflito de jurisdição nº 70062842471 (n° CNJ: 0476810-53.2014.8.21.7000). Relator: Des. Luiz Mello Guimarães, 12 de fevereiro de 2015. Disponível em: http://www.tjrs.jus.br. Acesso em 11 dez. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Apelação crime nº 70063020689 (n° CNJ: 0494631-70.2014.8.21.7000). Relator: Des. Jayme Weingartner Neto, 11 de março de 2015. Disponível em: http://www.tjrs.jus.br. Acesso em 11 dez. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Conflito de Jurisdição nº 70044908549. Relator: Des. Marco Aurélio de Oliveira Canosa, 10 de maio de 2012. Disponível em: http://www.tjrs.jus.br. Acesso em 11 dez. 2017.

SILVEIRA, J. R. C. da; FELTES, H. P. de M. Pragmática e cognição: a textualidade pela relevância. 3. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

SOUZA, S. R. de. Comentários à lei de combate à violência contra a mulher. 3. ed. Curitiba: Juruá, 2009.

SPERBER, D.; CLÉMENT, F.; HEINTZ, C.; MASCARO, O.; MERCIER, H.; ORIGGI, G.; WILSON, D. Epistemic vigilance. Mind & Language, Wiley Blackwel, v. 25, n. 4, p. 359-393, 2010.

SPERBER, D.; WILSON, D. Relevance: communication and cognition. 2nd. ed. Oxford: Blackwell, 1995. [1st ed. 1986].

SPERBER, D; WILSON, D. Posfácio da edição de 1995 de “relevância: comunicação & cognição”. Trad. Fábio José Rauen e Jane Rita Caetano da Silveira. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 5, n. especial, p. 171-219, 2005.

TAVARES, A. R. Curso de direito constitucional. 7. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

WILSON, D. Pragmática teórica. Trad. Fábio José Rauen. 2004. Inédito. Original disponível em: http://www.phon.ucl.ac.uk/home/nick/pragtheory/. Acesso em: 4 fev. 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.27.1.299-332

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2018 Fábio José Rauen, Bárbara Mendes Rauen

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)