Da Carta de Princípios (1979) à Carta ao povo brasileiro (2002): variações ethicas do Partido dos Trabalhadores / From the Charter of Principles (1979) to the Letter Adressed to Brazilian People (2002): ethical variations of the Worker’s Party

Melliandro Mendes Galinari, Luciana de Souza Pereira

Abstract


Resumo: O Partido dos Trabalhadores (PT), no Brasil, tem sido estudado por diversos historiadores e cientistas sociais, além de ser avaliado constantemente pelas mídias e pelo senso comum quanto a mudanças de postura político-discursivas ao longo de sua existência. Neste artigo, temos como objetivo analisar o ethos institucional do PT em dois momentos históricos distintos, a saber, no momento precedente à sua fundação (1979), a partir da chamada Carta de Princípios, e no ano eleitoral em que obteve a vitória para a Presidência da República (2002), com base na Carta ao Povo Brasileiro. Com isso, pretende-se apontar como foram construídas, retoricamente, as diferentes imagens do partido nesses dois documentos, estabelecendo um contraste linguístico-discursivo panorâmico. Inicialmente, o artigo situa o surgimento do PT no contexto brasileiro e seu percurso até chegar à Presidência da República. Em seguida, no sentido de contextualizar as suas históricas mudanças, são trazidos apontamentos de cientistas políticos e historiadores, com o intuito de apresentar, por amostragem, pontos de vista controversos sobre as metamorfoses do PT. Enfim, o trabalho se atém à análise propriamente dita das cartas mencionadas, no sentido de apreender como o ethos é construído enquanto dimensão retórica. A conclusão mostra, dentre outras coisas, que, na Carta de 1979, constrói-se um partido de feição radicalmente classista, posicionando-se ao lado das massas exploradas contra as elites dominantes. Na Carta de 2002, por sua vez, tal conflito é silenciado, sobressaindo-se um ethos de caráter nacionalista e conciliador.

Palavras-chave: Partido dos Trabalhadores (PT); discurso Político; Análise do Discurso; ethos; Retórica.

Abstract: Since its foundation the Brazilian worker’s party (PT) has been studied by several historians and social scientists. It has also been constantly probed by the media and common sense due to political-discursive changes of its posture. The purpose of his article is to analyse the institutional ethos of PT in two distinctive historical moments. Firstly, the moment before its foundation (1979), beginning with the so called Charter of Principles, and secondly, the election year when victory to the presidency of the republic was achieved (2002), based on the letter to the Brazilian people. Thus, it is intended to point in these two moments how the different images of the party were rhetorically constructed by establishing a linguistic-discursive panoramic contrast. Initially the article sets the party’s origin in the Brazilian context and its course to the presidency of the republic. Hence, for contextualization of its historical changes, notes of political scientists and historians are brought up with the intention of presenting, by sampling, controversial points of view on the party metamorphoses. Ultimately, this paper is concerned to the analysis of the letters which have been mentioned with the intention of apprehending how the ethos is constructed as a rhetorical dimension. The conclusion shows, amongst other things, that in the 1979 letter a party radically classicist is built, it also posits itself next to the exploited mass against the dominant elite. In the 2002 letter, however, such conflict is silenced, highlighting a nationalist and conciliator ethos.

Keywords: Worker’s Party (PT); political discourse; Discourse Analysis; ethos; Rhetoric.


Keywords


Worker’s Party (PT); political discourse; Discourse Analysis; ethos; Rhetoric; Partido dos Trabalhadores (PT); discurso Político; Análise do Discurso; ethos; Retórica.

References


AMOSSY, Ruth. L’argumentation dans le discours. 3. ed. Paris: Armand Colin, 2010.

AMOSSY, R. O ethos na intersecção das disciplinas: retórica, pragmática, sociologia dos campos. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2008. p. 119-144.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

FAUSTO, B. A História do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012.

GALINARI, M. M. Sobre ethos e AD: tour teórico, críticas, terminologias. Revista Delta – Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 51-68, 2012.

GALINARI, M. M. O Funcionamento Retórico-Discursivo dos Índices de Modalização: a construção do ethos. In: Rivista di Studi Portoghesi e Brasiliani. PISA/ROMA: Fabrizio Serra Editore, v. XX, p. 85-97, 2018.

IASI, M. L. O escravo da Casa Grande e o desprezo pela esquerda. Rio de Janeiro, jun. 2014a. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/2014/06/16/o-escravo-da-casa-grande-e-o-desprezo-pela-esquerda/. Acesso em: 10 fev. 2016.

IASI, M. L. O PT e a Revolução Burguesa no Brasil. 2014b. Disponível em https://docs.google.com/file/d/0B_s4202oxQXfNzkxN2hWb2VQSlE/edit?pli=1. Acesso em: 11 fev. 2016.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2008. p. 69-92.

MATTOSO, J. Dez Anos depois. In: SADER, E. (Org.). 10 Anos de Governos Pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo, 2013. p. 115-125.

NEVES, M. H. M. Imprimir marcas na linguagem. Ou: a modalização na linguagem. In: ______. Texto e Gramática. São Paulo: Contexto, 2011. p. 151-221.

NOBRE, M. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

PAVEAU, M. A.; SARFATI, G. E. As grandes teorias da linguística. São Carlos: Claraluz, 2006. p. 182-184.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PETIT, P. A esquerda petista, os intelectuais e o governo Lula. In: DIAS, M. R.; PÉREZ, J. M. S (Org.). Antes do vendaval: um diagnóstico do governo Lula antes da crise política de 2005. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. p. 179-220.

REIS, D. A. O Partido dos Trabalhadores: trajetória, metamorfoses, perspectivas. 2007. Disponível em: http://www.historia.uff.br/culturaspoliticas/files/daniel4.pdf. Acesso em: 06 out. 2014.

RICCI, R. Lulismo: da era dos movimentos sociais à ascensão da nova classe média brasileira. Brasília: Fundação Astrojildo Pereira, 2010.

SADER, E. Brasil: A Esquerda e o Governo Lula. São Paulo, maio 2005. Disponível em: http://www.voltairenet.org/article125237.html. Acesso em: 08 set. 2015.

SAFATLE, V. A esquerda que não teme dizer seu nome. São Paulo: Três Estrelas, 2013.

VIANNA, L. W. Esquerda brasileira e tradição republicana: estudos de conjuntura sobre a era FHC – Lula. Rio de Janeiro: Revan, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.27.1.359-400

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2018 Melliandro Mendes Galinari, Luciana de Souza Pereira

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)