Implicaturas de futuridade em usos de querer + infinitivo em PB: interpretação temporal do ato de fala a partir do aspecto e da modalidade / Futurity Implicatures in the Uses of the Verbal Periphrasis Querer + Infinitive in Brazilian Portuguese: Temporal Interpretation of Speech Acts Stemming from Aspect and Modality

Valéria Cunha dos Santos

Abstract


Resumo: Com base em estudos sobre as categorias tempo, aspecto e modalidade (PALMER, 1986; BYBEE; PAGLIUCA; PERKINS, 1991; 1994; GIVÓN, 2001a; SWEETSER, 2001), destacamos o processo de gramaticalização de marcadores de futuro em línguas como inglês, dinamarquês e grego, envolvendo implicaturas (CHIERCHIA, 2003; LEVINSON, 2007) e atos de fala (SEARLE, 1995). Para compreender o uso similar dessa marcação de tempo em português brasileiro (PB), observamos implicaturas de futuridade a partir de usos em que o verbo de volição querer atua como auxiliar. Avaliamos se as implicaturas associadas à expressão de intenção ou desejo levam à interpretação de futuro nas ocorrências em primeira pessoa acompanhadas de verbo de volição ([eu/nós/a gente +] querer + verbo). A partir da análise das ocorrências, sugerimos que está ocorrendo em PB o mesmo processo ocorrido em outras línguas: marcas de volição tornam-se marcas de futuridade. Tendo como corpus o C-ORAL-BRASIL I (RASO; MELLO, 2012), composto por amostras de fala espontânea, com diálogos, monólogos e conversações, destacamos os atos de fala compromissivos e a atitude dos participantes da comunicação em relação às proposições, ressaltando o contexto extralinguístico de cada registro. Nosso objetivo foi observar como esses usos funcionam na língua e, para isso, foram analisadas as 139 gravações do corpus, que somam 759 usos do verbo querer. Desse número, nos detivemos à análise de 55 ocorrências do auxiliar em primeira pessoa que disparam implicatura de futuridade, atuando como perífrase de futuro nesses casos.

Palavras-chave: gramaticalização; implicatura; futuro.

Abstract: Based on studies on the categories of tense, aspect and modality (PALMER, 1986; BYBEE; PAGLIUCA; PERKINS, 1991; 1994; GIVÓN, 2001a; SWEETSER, 2001), we highlighted the grammaticalization process of future markers in some languages. Such a process involves implicatures (CHIERCHIA, 2003; LEVINSON, 2007) and speech acts (SEARLE, 1995). To understand the similar use of that tense marking in Brazilian Portuguese (PB), we observed the implicature of futurity from uses in which the volition verb (querer) operates as an auxiliary. As a theoretical background, we used previous studies on the grammaticalization of lexical items that denoted desire, will and necessity and became future markers such as will in English. We evaluated whether implicatures associated with the expression of intent or desire leads us to future in sentences exhibiting the first person with a volition verb ([eu/nós/a gente +] querer + verb). Our hypothesis is that PB may be going through the same process occurred in other languages: volition markers become marks of futurity. The corpus we used was C-ORAL-BRASIL I (RASO; MELLO, 2012). Using this we highlighted the commissive speech acts and the attitudes of communication participants in relation to propositions. Our approach started from conversation analysis, emphasizing the extra-linguistic context of each record. We analyzed 105 recordings in a private context and 34 in a public one, all of which add up to a sum of 759 uses of the verb querer. Among those, we highlighted 55 occurrences in which the item appears as a first person auxiliary that gives rise to a futurity implicature, working, in such cases, as a future periphrasis.

Keywords: grammaticalization; implicature; future tense.


Keywords


gramaticalização; implicatura; futuro; grammaticalization; implicature; future tense.

References


AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BITTENCOURT, D. L. R. O domínio funcional do futuro do subjuntivo: entre temporalidade e modalidade. 2014. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

BYBEE, J. L.; PAGLIUCA, W.; PERKINS, R. D. Back to the Future. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). Approaches to Grammaticalization. Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 1991. p.17-58. v. 2: Focus on Theoretical and Methodological Issues. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.19.2.04byb

BYBEE, J. L.; PAGLIUCA, W.; PERKINS, R. D. The Evolution of Grammar: Tense, Aspect, and Modality in the Languages of the World. Chicago: The University Chicago Press, 1994.

CHIERCHIA, G. Semântica. Campinas: Editora da Unicamp, 2003.

COMRIE. B. Aspect: na introduction to the study of verbal aspect and related problems. Cambridge: Cambridge University Press, 1976.

CUNHA DOS SANTOS, V. Intenção e desejo: usos de querer com implicaturas de futuridade. 2015. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

FOSSILE, D. K. Valores aspectuais do português brasileiro e do alemão: uma proposta de síntese. In: MOURA, H.; MOTA, M. B.; SANTANA, A. P. (Org.). Cognição, léxico e gramática. Florianópolis: Insular, 2012. p. 47-93.

FREITAG, R.; ARAÚJO, A.; BARRETO, E. Emergência e regularização de usos em categorias verbais do português: gradações de modalidade nos valores condicional, iminencial e habitual no domínio do passado imperfectivo. Revista do Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste (GELNE), Natal, v.15, n.1/2, p. 99-122, 2013.

GIBBON, A. O. A expressão do tempo futuro na língua falada de Florianópolis: gramaticalização e variação. 2000. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

GIVÓN, T. Tense, Aspect and Modality I: Functional Organization. Tense, Aspect and Modality II: Typological Organization. In: ______. Syntax: An Introduction. Amsterdã; Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2001a. v. I, p. 285-366.

GIVÓN, T. Syntax: An Introduction. Amsterdã; Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2001b. v. II.

GIVÓN, T. A compreensão da gramática. São Paulo: Cortez; Natal: EDUFRN, 2012.

GRICE, H. P. Logic and Conversation. William James Lectures. Cambridge: Harvard University, 1967.

HEINE, B.; CLAUDI, U.; HÜNNEMEYER, F. Grammaticalization: a Conceptual Framework. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

HEINE, B. Grammaticalization. In: JOSEPH, B.; JANDA, R. (Ed.). The Handbook of Historical Linguistics. Oxford: Blackwell, 2003. p. 575-601. DOI: https://doi.org/10.1002/9780470756393.ch18

HOPPER, P. J. On Some Principles of Grammaticization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). Approaches to Grammaticalization. Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 1991. p. 17-35. v. 1: Focus on Theoretical and Methodological Issues. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.19.1.04hop

HORN, L. R. On the Semantic Properties of the Logical Operators in English. Indiana: Indiana University Linguistics Club, 1972. Texto mimeo

ILARI, R. A expressão do tempo em português. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

LEVINSON, S. Pragmática. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

MOURA, H. M. M. Significação e contexto: uma introdução a questões de semântica e pragmática. 3. ed. Florianópolis: Insular, 2006.

NEVES, M. H. M. A modalidade. In: KOCH, I. G. V. Gramática do Português falado. Campinas: Editora da Unicamp, 1996. p. 163-199. v. VI: Desenvolvimentos.

OLIVEIRA, J. M.; OLINDA, S. R. M. A trajetória do futuro perifrástico na língua portuguesa: séculos XVIII, XIX e XX. Revista da ABRALIN, [S.l.], v. 7, n. 2, p. 93-117, jul-dez. 2008.

OLIVEIRA, J. M. O futuro da língua portuguesa ontem e hoje: variação e mudança. 2006. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PALMER, F. R. Mood and Modality. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

PERINI, M. A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

RASO, T.; MELLO, H. C-Oral-Brasil I: corpus de referência do português brasileiro falado informal. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2012. CD-ROM.

SEARLE, J. R. Expressão e significado: estudos da teoria dos atos de fala. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

SWEETSER, E. From Etimology to Pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

TRAUGOTT, E. C.; KÖNIG, E. The Semantics-Pragmatics of Grammaticalization Revisited. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (Ed.). Approaches to grammaticalization: Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 1991. p. 189-218. v. 1: Focus on Theoretical and Methodological Issues. DOI: https://doi.org/10.1075/tsl.19.1.10clo




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.27.3.1167-1194

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c) 2019 Valéria Cunha dos Santos

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.

e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)