A representação discursiva do ator social Michael Jackson e de sua morte em gêneros da esfera jornalística

Maria Aparecida Resende Ottoni

Abstract


Neste artigo, investigamos como se dá a representação discursiva de um mesmo fato e do principal ator social nele envolvido, em diferentes gêneros distintos, a saber: reportagem; notícia; editorial; artigo de opinião; e carta do leitor. Nosso intuito é perquirir se há diferenças nas escolhas para representação de um mesmo fato e no modo como o ator social principal é representado nesses gêneros,bem como quais as razões e efeitos dessas diferenças. Nesse sentido, selecionamos textos que tratam da morte de Michael Jackson, os quais são analisados com base nos pressupostos da Análise de Discurso Crítica e na proposta de van Leeuwen (1997) para o estudo da representação de atores sociais. A análise revelou que, em todos os gêneros, a representação de modo ativo, pessoal e por classificação específica é dominante e que, nos gêneros que representam os núcleos jornalista e empresa predomina a nomeação e, nos que retratam os núcleos colaborador e leitor, a classificação. Prevalece, ainda, a classificação por valoração, o que colabora, sobremaneira, para a produção de uma mescla na representação do ator social Michael Jackson. Essa mescla também é marcada por meio da intertextualidade manifesta.

Keywords


Significado representacional; discurso; gêneros da esfera jornalística; mídia

References


BAKHTIN, M. Speech genres and other late essays. Trans. V.W. McGee. Ed. C. Emerson and M. Holquist. Austin: University of Texas Press, 1986.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003. p. 261-306.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Trad. T. T. Silva e L. F. G. Pereira. Petrópolis: Vozes, 1996.

BEZERRA, M. A. Por que cartas do leitor na sala de aula? In: DIONÍSIO, A.P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

BOURDIEU, P. Sobre a televisão. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1997.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity: rethinking critical discourse analysis. Edinburgo: Edinburgh University Press, 1999.

COSTA, L. Teoria e Prática dos Gêneros Jornalísticos: um estudo empírico dos principais diários das cinco macro-regiões brasileiras. 2008. Disponível em: ibict.metodista.br/tedesimplificado/tde_busca/ arquivo.php?codArquivo=1925.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. São Paulo: Ed. Paulus, 2003.

DIAS, P. da R., et al. Gêneros e formatos na comunicação massiva periodística: um estudo do jornal Folha de S. Paulo e da revista Veja. In: XXI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 21, Recife, 1998. Anais... Recife, PE: Intercom, 1998, p. 1-23.

FAIRCLOUGH, N. Media Discourse. Londres: Edward Arnold, 1995.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Coord. trad., revisão e pref. à ed. bras. de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001a.

FAIRCLOUGH, N. The dialectics of discourse. Textus, v. 14, n. 2, p. 1-10, 2001b.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. Londres e Nova York: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, N. Language and globalization. Londres e Nova York: Routledge, 2006.

FAIRCLOUGH, N.; WODAK, R. Critical Discourse Analysis. In: VAN DIJK, T. (Ed.). Discourse as social interaction. Londres: Sage, 1997. p. 258-84.

FOWLER, R. Language in the news: discourse and ideology in the press. Great Britain: Routledge, 1991.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar – Como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 2001.

KRISTEVA, J. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.

MACHADO, I. Gêneros e /ou Formatos? Design de linguagem mediada. XXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. 2006, Brasília. Anais.... São Paulo: Intercom, 2006. CD-ROM.

MARQUES DE MELO, J. (Org.). A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

MARQUES DE MELO, J. Jornalismo Opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. 3. ed. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003.

MARTINS, S. Uma lenda envolta em mistério, dentro de um enigma. Veja, ed. 2119, ano 42, n. 26, p. 96-110, 1 jul. 2009.

MAUTNER, G. Analysing newspapers, magazines and other print media. In: WODAK, R.; KRZYZANOWSKI, M. (Ed). Qualitative discourse analysis in the social sciences. New York: Palgrave Macmillan, 2008. p. 30-53.

MOTTA, L. G. (Org.). Imprensa e poder. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

NASCIMENTO, K. C. de S. Mecanismos argumentativos no jornalismo escrito. In: PAULIUKONIS, M. A. L.; GAVAZZI, S. (Org.). Texto e discurso: mídia, literatura e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2003. p. 85-96.

OTTONI, M.A.R. A recontextualização, a multimodalidade e o hibridismo na abordagem dos gêneros do humor. Revista do SELL. Uberaba, v. 3, n. 3, p. 196-208, 2011. Disponível em: http://www.uftm.edu.br/ revistaeletronica/index.php/sell/article/view/183/210. ISSN: 1983-3873.

OTTONI, M.A.R. Os gêneros do humor no ensino de Língua Portuguesa: uma abordagem discursiva crítica. 2007. 400 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.

PENA, F. Teoria do Jornalismo. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

RAMONET, Ignacio. A tirania da comunicação. Trad. Lúcia M. E. Orth.Petrópolis: Vozes, 1999.

REISIGL, M.; WODAK, R. Discourse and discrimination: rhetorics of racismo and anti-semitism. Londres: Routledge, 2001.

RESENDE, V. de M.; RAMALHO, V. Análise de discurso crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

RICHARDSON, J. E. Analysing newspapers: an approach from critical discourse analysis. Nova York: Palgrave Macmillan, 2007.

SEIXAS, L. Redefinindo os gêneros jornalísticos – Proposta de novos critérios de classificação. (Livro on line). LabCom, 2009.

VAN LEEUWEN, T. A representação dos atores sociais. In: PEDRO, E. R. (Org.). Análise crítica do discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Caminho, 1997, p. 169-222.

WODAK, R.; MEYER, M. Methods of critical discourse analysis. Londres: Sage, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2237-2083.22.1.237-273

Refbacks

  • There are currently no refbacks.
';



Copyright (c)



e - ISSN 2237-2083 

License

Licensed through  Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional    

Image result for fapemig

Grant #APL-00427-17 (2018-2019)