Notícias

FuLiA / UFMG: revista sobre Futebol, Linguagem, Artes e outros Esportes

 

Este periódico eletrônico de fluxo contínuo, quadrimestral, tem o objetivo de atender às crescentes demandas de publicações de pesquisas sobre o esporte relacionadas aos estudos da linguagem, das artes e mídias, do lazer, da memória e da cultura.

A FuLiA / UFMG aceita submissões, preferencialmente de doutores, de artigos e ensaios para as seções Dossiê e Paralelas, além de textos para as seções Resenha, Entrevista e Tradução.

A revista conta ainda com a seção Poética, sob a responsabilidade dos editores, que pretende publicar áudios, imagens, vídeos e textos artísticos em diálogo com o dossiê temático. 

Serão aceitos textos em português, espanhol, inglês, francês, italiano e alemão

Atualmente, a revista está vinculada ao Núcleo de Estudos sobre Futebol, Linguagem e Artes (FULIA), fundado em 2010 na Faculdade de Letras da UFMG.

 
Publicado: 2017-10-20
 

CHAMADA v. 2, n. 1: submissão ENCERRADA

 

Crônica esportiva no Brasil: história e narrativa

 

Organizador: Bernardo Borges Buarque de Hollanda (Escola de Ciências Sociais - FGV)


          Em seu ensaio “A vida ao rés-do-chão”, o crítico literário Antonio Candido (1918-2017) referiu-se à crônica como um gênero, sob vários aspectos, “brasileiro”. Desde pelo menos os anos 1930, segundo o autor, a crônica teria sido capaz de se amoldar com plasticidade ao cotidiano jornalístico do país. Soube ajustar-se não só à preferência dos escritores como também ao gosto dos leitores, em virtude de suas características temáticas e estilísticas, prosaicas e narrativas. Diante de tal afirmação, seria o caso de perguntar: como pensar a crônica denominada “esportiva”? Seria tão somente um subgênero deste que, por sua vez, não é considerado nobre no panteão da literatura? Quando se trata de crônica esportiva, está em jogo um texto jornalístico sobre esportes, em geral, ou uma crônica de esportes, em particular?
          O dossiê Crônica esportiva no Brasil: história e narrativa propõe reunir artigos científicos e pesquisas acadêmicas que abordem personagens e eventos relacionados a crônicas e cronistas, a colunas e colunistas esportivos, dedicados a relatar o dia a dia das modalidades de desportos no país. Isto porque os periódicos brasileiros têm sido fonte fértil para registro de tal escrita, desde o surgimento de esportes modernos, como o futebol, num arco histórico que abarca do final do século XIX até a contemporaneidade. O objetivo é mostrar a vitalidade deste gênero comunicativo ao longo do tempo, suas transformações e sua continuidade, tendo em vista tanto jornalistas que se dedicaram profissionalmente ao ofício – Mário Filho, Nelson Rodrigues, Thomaz Mazzoni e Vargas Neto, entre outros – quanto literatos bissextos que foram tocados pelo fenômeno esportivo no decorrer dos séculos XX e XXI, a exemplo de Carlos Drummond de Andrade, José Lins do Rego, Paulo Mendes Campos e Luis Fernando Verissimo.
 
Publicado: 2017-10-20
 

CHAMADA v. 2, n. 2: submissão até 31 de janeiro de 2018

 

Futebol e política no mundo lusófono

 

Organizadores: Elcio Cornelsen (Faculdade de Letras - UFMG, Brasil); Marcel Vejmelka (Faculdade de Tradução, Linguística e Estudos Culturais - Universidade de Mainz, Alemanha) 

 

Futebol e política estão associados de maneira estreita e profunda desde o surgimento dessa modalidade esportiva, hoje mundialmente popular. Ao enfocar o mundo lusófono marcado por intenso entusiasmo pelo futebol, surgem idéias muito interessantes sobre as linhas de desenvolvimento histórico de suas nações, sociedades e culturas. No universo atual do futebol, também se refletem crises sociais e políticas, bem como cisões do presente.

O futebol sempre foi e ainda é uma questão política num sentido positivo e negativo; a profissionalização do esporte nas primeiras décadas do século XX fez com que certas barreiras de classe e de “raça” se rompessem; regimes autoritários, com grande frequência, não medem esforços em instrumentalizar e ideologizar esse esporte preferido das massas, seja como “ópio do povo”, seja em forma de seleções nacionais carregadas de sentido ufanista. Ao mesmo tempo, o futebol sempre foi um instrumento de protesto e de resistência política, e até mesmo objeto de reflexão político-filosófica sobre o chamado “futebol de direita e de esquerda”.

Tomada em sentido mais amplo, a política também permeia o futebol e suas culturas, e pode ser investigada com base em discussões históricas e atuais. Exemplos disso seriam certos aspectos como a “política” de transferência de clubes no futebol globalizado, a transformação de “heróis” tradicionais em “ídolos” globais, bem como o conflito entre torcedores tradicionais e a crescente comercialização do jogo.

Serão bem-vindas contribuições que reflitam sobre a relação entre o futebol e a política no mundo lusófono a partir de uma perspectiva específica, bem como inter ou transdisciplinar. Além do diálogo entre abordagens culturalistas, linguísticas e sociais, através da totalidade das contribuições, o dossiê “Futebol e Política no mundo lusófono” tem por meta também possibilitar um olhar comparativo para o futebol em suas diversas dimensões nacionais e regionais da Lusofonia.

 
Publicado: 2017-10-20
 

CHAMADA v. 2, n. 3: submissão até 21 de abril de 2018

 

Sobre copas do mundo... / About the word cups...

 

Organizadores: Gustavo Cerqueira Guimarães (Faculdade de Letras - UFMG); Marcus Vinicius Lage (História - UFMG); Thiago Carlos Costa (Estudos do Lazer - UFMG)

 

          CHAMADA em elaboração.

 
Publicado: 2017-10-20